Novos X-Men: Ecos do Amanhã Dica de Leitura

Olá amigos que nos visitam, a postagem de hoje é sobre o encadernado enviado pela nossa parceira Comix,  Novos X-Men: Ecos do Amanhã que reúne as edições 151 à 154 da revista New X-Men.

A história dessa HQ é ambientada 150 anos no futuro, onde os X-Men já não são como foram um dia,  e o sonho do Professor Xavier passa a ser a sobrevivência dos mutantes que ainda estão vivos, uma vez que eles estão sendo caçados pelo Fera e seus Noturnos, que neste futuro tem como objetivo principal encontrar o Ovo da Fenix, que está sob proteção de Tom Skylark e seu amigo chamado Errante, um Sentinela 1ª Geração, que criou e cuidou dele desde a infância, vale lembrar que Fera foi contaminado pelo código genético Sublime após utilizar-se da droga chamada Porrada.

O roteirista Grant Morrison conseguiu fazer uma densa e rica narrativa com a quantidade de informação inserida em seu roteiro, nesse mundo sem humanos, os X-Men do futuro são liderados por Cassandra Nova Xavier, mantenedora de um santuário que foi construído em uma cratera onde ficava o Instituto Charles Xavier, além deles o roteirista inseriu também nesse futuro várias espécies descendentes dos humanos.

O disco voador usado por Fantomex chamado E.V.A  na realidade é uma sentinela geração N que desperta a atenção do nosso coleguinha Tom Skylark, tanto tecnologicamente como fisicamente falando, afinal E.V.A. tem um baita corpão mesmo para uma sentinela, e por incrível que pareça desperta o ciúme do sentinela Errante (percebemos isso quando ele sofre uma avaria muito grande e com isso fica  fora de combate por algum tempo no ápice da história).

Outra coisa interessante são os Noturnos utilizados pelo Fera, além do DNA do mutante Kurt Wagner, esses seres utilizam sequências genéticas  combinadas de outros mutantes pois o Fera possui todos os genes para usar em seus experimentos, e isso concede a eles além do teletransporte um poder adicional, como por exemplo os raios ópticos do Ciclope, o fator de cura de Wolverine ou qualquer outro poder mutante que ele tenha no seu banco de dados genético mutante.

Para piorar ainda mais, descobrimos a existência de um personagem chamado Appolyon um dos últimos seres chamados O-Men (humanos com implantes mutantes que tentaram com isso se tornar a terceira espécie) e auto-intitulado “Arauto do Poderoso Fera”, que aparece sempre implorando por melhorias com partes da Fênix em seu corpo, fazendo assim que suas horríveis dores cessem e assim possa ajudar seu mentor em seus planos malignos, mas é enganado pois o Fera desse futuro procura apenas saciar a sua vontade de destruir toda a raça mutante com a ajuda do poder da Fênix.

Em Novos X-Men: Ecos do Amanhã  temos personagens conhecidos, como as irmãs Stepford que participam desta história com a alcunha de Arma XIV, capazes de ler mentes, além de não envelhecer como os outros mutantes por fazerem parte da Arma Extra e o nosso baixinho carrancudo Wolverine, que aparenta estar mais jovem e mais tranquilo nesse futuro, também da o ar da graça, mas o destino não lhe reserva um bom final.

A HQ se encerra de forma surpreendente e promete explodir cabeças mostrando que um dos personagens principais da trama, responsável pela confusão está intimamente ligada com outras entidades  que tem a capacidade  de realizar mudanças tanto no passado como no futuro.

Grant Morrison conseguiu com essas quatro revistas mostrá-los de uma outra forma, ajudando a firmar os elementos que fizeram com que esse grupo ganhassem mais notoriedade entre os fãs e este enredo futurista confirma que Morrison acertou na pegada, mostrando que consegue agradar novos e antigos leitores.

A arte de Mark Silvestre é um show a parte. O estilo anos 90 que o consagrou como artista gráfico esta muito evidente no trabalho e não deixa a peteca cair, e isso foi no final das contas, o que mais me agradou no trabalho dele, pois me fez lembrar daquela época em que ele ficou a frente das história do Wolverine.

O trabalho dessa dupla mostrou que  Novo X-Men: Ecos do Amanhã é daquelas revistas que pode agradar alguns pelo roteiro, outros pela arte e colorização, para para mim valeu a pena ver que bons enredos ainda podem ser produzidos para os filhos do átomo com roteiro e ilustração trabalhando juntos.

Abraço pessoal é até a próxima.

Fabulas Lendas no Exílio – Dica de Leitura

“Um dia, fomos mil reinos separados, espalhados por cem mundos mágicos. Éramos reis e sapateiros. Magos e carpinteiros. Tínhamos nossos pecadores, nossos santos e nossos alpinistas sociais desavergonhados. E do mais grandioso lorde à menina camponesa mais simples, nós éramos, no geral, estranhos uns aos outros. Foi preciso uma invasão para nos unir.”

Lendas no Exílio - Dica de Leitura

“Uma a uma, nossas terras espalhadas caíram sob o domínio do Adversário, engolidas pelo seu império sempre crescente. Se tivéssemos nos unido mais cedo, poderíamos ter conseguido detê-lo. (…) Muitos de nós não tiveram a chance de fugir. (…) Vivemos como fora da lei e fantasmas. Até conseguirmos vir para cá, para este monótono lugar mundano: o único mundo pelo qual o Adversário parecia não se interessar.”

Esse trecho, retirado (não inteiro) de uma narrativa direto da revista, resume bem o que aconteceu e qual o pano de fundo de Fábulas. Todos os seres mágicos que conhecemos, e vários que não conhecemos, viviam em seus mundos até que um mal crescente – conhecido como o Adversário – tomou mundo por mundo, fazendo com que as personagens lendárias das fábulas se transformassem em refugiados, abandonando suas terras e indo para o único lugar aparentemente desinteressante: nosso mundo.

Aqui, as fábulas vivem entre nós. Aqueles que possuem um pouco de poder ou dinheiro conseguem encantos das bruxas para disfarçarem sua verdadeira aparência e “se camuflarem” entre os humanos. Os menos afortunados ou, por definição, imutáveis, vivem reclusos em matas, esgotos ou em fazendas construídas para os abrigarem.

No primeiro arco de Fábulas conhecemos algumas lendas bem conhecidas como, por exemplo, O Príncipe Encantado, João (de todas as histórias e contos de fadas que possuem um João), Branca de Neve e Lobo Mau. O Príncipe é um charlatão de primeira: vive sem dinheiro e batendo de porta em porta atrás de um rabo de saia do qual possa tirar algum proveito e tudo isso por culpa da Branca de Neve, sua ex-esposa, que o chutou pra fora de casa depois de flagrar o maridão dando uns amassos na sua irmã caçula, a Rosa Vermelha.

Lobo Mau tornou-se o detetive da “cidade das fábulas”, que nada mais é do que um bairro administrado como se fosse uma cidade. Suas habilidades de caça como lobo vieram bem a calhar como investigador e é com ele que a história começa, quando João (atual namorado da Rosa Vermelha), vem ao seu encontro dizendo que algo horrível aconteceu. Rosa sumiu e seu apartamento está coberto de sangue. E é aí que desanda a maionese na cidade das fábulas.

No desenrolar das histórias, várias outras personagens aparecem e cada uma delas, magistralmente adaptada para o real, seja por suas fobias ou seus vícios, ou até mesmo apresentando o reflexo exato de sua personalidade mágica no mundo real, como é o caso do Pinóquio (que é sensacional!).

A revista inteira é recheada de grandes diálogos e conflitos, reviravoltas e intrigas, investigações e cenários dignos de Agatha Christie porém, tudo dentro do fantasioso mundo das fábulas (e dos quadrinhos), sem nunca deixar o humor de lado. Que é o mais importante.

Fábulas, publicada ininterruptamente desde 2002, é um dos clássicos dos quadrinhos lá fora e vem ganhando mercado cada vez mais rápido aqui no Brasil. Em seu formato original já alcançou 18 encadernados (12 deles já lançados aqui no Brasil*), que somam 122 revistas mensais, além de 9 spin-offs e ganhou, até o momento, 14 prêmios Eisner, o Oscar dos quadrinhos. Segundo a IGN “a melhor série de quadrinhos em produção atualmente”.

Confesso que é difícil discordar da opinião da IGN. Leitura mais do que obrigatória.

Y The Last Man – Dica de Leitura

Para começar eu pergunto a vocês: O que vocês fariam se fossem o último HOMEM do planeta terra?

Nada que você pensou pode se comparar ao que o jovem Yorick escolheu, caso vocês ainda não tenham sacado estou falando de “Y The Last Man” uma das melhores HQs que eu já li.

O time de Y não poderia ser melhor: escrita por Brian K. Vaughan, que foi um dos responsáveis pelos roteiros de Lost (ok, o final não foi legal) e Ex Machina e com artes de Pia Guerra, velho conhecido para jogadores de RPG, responsável por desenhos de alguns livros como Vampiro — A Máscara, Changeling e Lobisomem — O Apocalipse, além de Marzá Jr. que desenhou as capas da obra.

A obra trás a narrativa de um mundo aonde uma praga de origem desconhecida matou a maioria das criaturas portadoras do cromossomo Y, que define o gênero masculino, sobrando apenas Yorick Brown e seu macaco Ampersand, e partir daí começa a saga para entender o que aconteceu com os homens bem como garantir, de certa forma, o reinicio da espécie humana, afinal sem homem como se faz, ou não faz?

O que me prende nessa HQ é a forma como o autor escreve como a sociedade sobreviveria a esta catástrofe, pois não querendo ser machista, sabemos que no mundo atual a maior parte dos governos estão nas mãos dos homens, assim como também outros cargos e empregos são dominado pelos homens, por exemplo: 99% dos mecânicos, eletricistas, pedreiros, assim como 100% dos sacerdotes católicos, muçulmanos, rabinos judeus ortodoxos. E todos estão mortos.

Como seria uma reestruturação mundial e as sequelas desse “generocídio”?

Brincando com esta ideia, Vaughan faz um ótimo trabalho de como imaginar o mundo mergulhado no caos distópico, mesmo que ainda lógico, partindo somente de pressupostos da nossa realidade atual, talvez sendo a parte mais difícil de uma HQ como esta. Possibilidades diversas surgem e são inseridas na historia, como por exemplo grupos radicais de feministas que se auto intitulam Amazonas, que assumem uma postura frente ao ocorrido de acreditar que a morte de todos os homens é uma benção, ou seja, um bando de sapatas revoltadas.

Intrigas políticas aparecem na HQ quando se descobre que ainda existe um homem vivo, logo a nação que o tiver, poderá se sobressair as outras, garantindo a supremacia. Os personagens coadjuvantes são intrigantes e importantes, pois no desenvolver da historia são eles que fazem o pano de fundo político, religioso e amoroso sendo inseridos e retirados da historia com uma leveza impressionante.

O personagem Yorick é meio babaca no inicio da HQs, tomando atitudes idiotas frente a importância de ser o último homem do planeta, fora isso seus ideais nobres de conseguir chegar até a Austrália para encontrar com sua namorada na esperança que ela esteja bem e assim finalmente repovoar o mundo a moda antiga são bem louváveis.

Este personagem nobre e romanceado frente ao caos instalado e a mulheres completamente loucas em hipótese alguma tende a parecer como uma forma de implicação aonde os homens são melhores do que as mulheres. Aliás estas diferenças sexuais são muito bem abordadas ao longo de toda historia.

A ideia política me chama muito a atenção como, por exemplo, quando o governo norte-americano fica sabendo sobre a existência do último homem e coloca Yorick sob vigilância, assim surge a Agente Especial 355 que o protege e o acompanha durante toda a historia, fora que outra pessoa entra para o grupo por ser uma cientista que estava próxima de conseguir o clone humano. Com essa premissa, a série deslancha percorrendo o que restou da civilização, vendo as consequências da tragédia e cada um com sua busca pessoal.

Apesar de eu ter passado uma ideia de uma HQ politizada e bastante pesada por conta do próprio tema, a série tem muito bom humor graças ao protagonista  que se comporta muitas vezes de forma infantil e até mesmo pelas situações de adaptação a esta nova realidade.

Finalizando, quem ficou interessado pela revista poderá encontrar nas bancas através do selo Vertigo da Panini. O encadernado em questão esta muito bem produzido, a serie nos Estados Unidos saiu mensalmente em 60 edições, já no Brasil esta saindo em um compilado com 5 edições por encadernação.

Outra coisa que surgiu recentemente foi um fan filme muito bem produzido de 20 e poucos minutos, vale a pena conferir abaixo:

No mais já decidiu o que você faria se fosse o ultimo homem da terra? So não pode ser asanoturniano se não ferrava tudo.

Dica de Leitura – Quadrinhos A2

Quadrinhos A2 é uma iniciativa de Paulo Crumbim e Cristina Eiko, em retratar de forma descontraída e “fantasiosa” o dia a dia da vida do casal. O projeto começou como algumas tirinhas na web, logo transformando-se em webcomics até, por fim, ser adaptado para o formato encadernado e distribuido de forma independente.

O principal destaque do trabalho do casal é o “roteiro” e em como ele é apresentado. Quadrinhos biográficos tem uma dificuldade muito maior de agradar a grande massa por ser algo extremamente pessoal e, facilmente, conversar com um público menor mas isso não acontece com o Quadrinhos A2.

Situações corriqueiras como sonhos com extraterrestres ou uma ida até a academia, viram motivo de história – na maioria das vezes, contada em duas versões ou paralelamente, uma de cada um dos autores – e mostra como ser estranho e normal é, pelo menos aqui, original e divertido.

A famosa técnica cinematográfica de conversar com o telespectador é empregada aqui também, com as devidas proporções, e torna tudo mais pessoal do que já é. A imersão no mundo dos autores é tão automática e rápida que, uma simples tira contando do dia a dia do fechando da edição encadernada, sem ter uma história para terminar a edição, faz um gancho e gera uma necessidade de ler mais muito maior do que hiatos de grandes sagas dos quadrinhos.

O traço dos autores é nitidamente inspirado no estilo de desenho oriental, apesar de extremamente minimalista, o que dá um toque bem peculiar e original, transparecendo algo inédito e não simplesmente mais um formato de quadrinho baseado no estilo japonês.

Quadrinhos A2 é uma obra simples porém muito bem feita e fácil de se gostar, divertida, carismática e original. No site é possível encontrar as tironas inéditas na publicação impressa além do link para a compra do encadernado, que pode vir com dedicatória, como o meu, além de o casal sempre personalizar as embalagens em que o encadernado é enviado, com diversos personagens e temas diferentes o que torna a leitura e a compra muito mais pessoal.

:)

Decoração quarto da Hazel – A Culpa é das Estrelas

Acho que chorei mais por não ter o quarto da Hazel de A Culpa é das Estrelas do que pelo drama do filme. Vai dizer que você não a-mo-u a cama cercada por estantes, cheia de pisca-piscas? Ou o baú ao pé dessa cama divina que serve como mesa de apoio para o notebook assim que você acorda e recebe o e-mail de seu autor favorito — que poderia ser eu se você comprar meus livros —, hein? No post de hoje vamos fazer um tour pelo quarto da menina e trazer para a realidade esse sonho de consumo gastando o mínimo possível. Vem!

Encontrei esse antes e depois do quarto da Hazel com detalhes, inclusive da tal estante em volta da cama. Comparando os ambientes, você vê que os elementos mais importantes, além do aproveitamente das paredes e janelas, é a disposição da luz. Sem iluminação dentro do nicho onde fica a cama, o quarto ainda pareceria escuro como anteriormente.

Esse baú ao pé da cama tem altura ideal para acordar e ir direto para o Facebook — no meu caso, acordar e responder e-mails dos discípulos ♥ — e guardar tranqueiras. A cor do quarto é serena e os adesivos de árvores na parede em que fica a escrivaninha, recebendo luz da janela, trazem o poder da fantasia para dentro.

Pra ter a mesma vibe que o quarto da Hazel, escolha por paredes azuis acizentados ou um pouco mais vivos. Para contrastar, as cortinas podem ser amarelas e a roupa de cama também, com detalhes em roxo, bege, azul ou lilás fraquinho. Os móveis como a cama, estante e mesa podem ficar na cor branca, que é neutra. Assim, se mudar a cor das paredes, não vai precisar mudar os móveis.

COMO FAZER ESTANTE AO REDOR DA CAMA
Se chamar um marceneiro ou planejadora de móveis por encomenda, vai sair caro ter uma estante como a do filme A Culpa é das Estrelas. Caçando um jeito de reproduzir esse visual no meu quarto, esbarrei com uma ideia maneira: usar caixotes. Empilhados e parafusados, o Pinterest já provou que ficam tão legais quanto os do quarto da Hazel Grace. Se não acredita, olhe as fotos e veja minha galeria de quartos no Pinterest.

Fonte.

A foto acima exibe uma estante montada, simples, por um marceneiro ou aquele parente que sabe cortar, lixar, pintar e prender madeira. Caso dê vontade, por que você mesmo não arrisca a fazer?

Fonte.

Aí a versatilidade dos caixotes de feira! Lixados e pintados, podem ser empilhados para formar estantes!

Fonte.

Nesse caso, os caixotes foram pintados de branco e empilhados ao lado da cama. Para fazer o topo, uma tábua de madeira foi apoiada nos caixotes laterais e mais caixotes de feira foram ordenados em cima.

GALERIA DE QUARTOS NO PINTEREST
Para se inspirar em quartos lindos e possíveis de reproduzir, acesse meu painel Quartos & Camas no Pinterest:

***
Gosto de quartos que são conscientes. As paredes são usadas, expressam personalidade e parecem tão confortáveis que não daria vontade de sair nem pra comer. Me amarro em pegar esses quartos de filmes e séries e transformar na realidade do “faça você mesmo gastando pouco”. Com criatividade e paixão, qualquer ambiente se transforma. Espero que você transforme o seu — e quando vir o filme de novo, observe o quarto da Hazel!

O que acha do quarto da Hazel Grace? Comente!

Como aproveitar dias de folga

Me dedico tanto ao Discípulos de Peter Pan, ao vlog e meus livros que, quando tirava um dia de folga, não sabia o que fazer. Aos poucos, montei listas de interesses para quando estivesse livre e quisesse me entreter — além de trabalhar. Trouxe algumas dicas pra você aproveitar sua folga sem gastar dinheiro (e sem sair de casa).

Como aproveitar dias de folga

1. DESLIGUE SEU DESPERTADOR
Não tenha hora pra acordar! Não tenha obrigações! Hoje é o dia para não fazer nada por compromisso! Deixe suas responsabilidades de lado e se permita ser ocioso!

2. DEIXE O CELULAR OFFLINE (ATÉ PRECISAR DELE)
Também conhecido como “Modo avião”, faz com que seu celular não receba ligações e desliga o wi-fi/internet. Assim, só precisará ligá-lo se quiser falar com alguém (e não vai receber notificações o tempo todo, lembrando do projeto que precisa entregar para segunda-feira).

★ 48 horas longe do computador e celular

Deixe o celular no modo offline

3. SUBSTITUA CAFÉ PELO CHÁ
Amo café com todas as minhas forças, mas sou fraco pra cafeína: fico alucinado, agitado, e quero trabalhar ou sair de casa correndo (e pelado!). Em dias de folga, prefiro manter meu emocional equilibrado, calmo, fazendo a preguicinha chegar em mim sem esforço. Se você não gosta do seu trabalho, essa preguicinha vem facilmente, mas se você é workaholic que nem eu, sabe como é difícil relaxar… Chás são fáceis de fazer e ajudam a esfriar a mente (só não exagere no açúcar).

4. EXPLORE SUA CASA
Se você vive no quarto, use outro cômodo. Assista TV com seus pais, chame seu irmãozinho pra jogar Uno na sala (e cair na porrada). Pegue em livros ou leia seus blogs preferidos (espero que o DDPP esteja na lista) no sofá. Se a bagunça estiver incomodando, pode dar uma ajeitadinha (faxina hoje não, a não ser que te faça muito bem)! Dê um beijo no seu animal de estimação e agradeça por ter onde morar.

Substitua café pelo chá

5. COMA TUDO QUE VIR PELA FRENTE
SEM CULPA! Hoje pode! Tome um café da manhã bonito, não almoce miojo (faça algo mais legal ou peça pra alguém fazer), bata um bolo para o final da tarde e jante uma saladinha gostosa pra fechar a noite. Entre uma refeição e outra, belisque biscoito, leite condensado com coco ralado (fica uma delícia), paçoca e tudo que há de bom!

6. EXPLORE SEU BAIRRO
Aposto que você vai dizer: “mas aqui não tem porra nenhuma pra fazer, odeio todo mundo e mimimi”. É, eu também falava isso há dois anos. Porque moro na periferia, só tem funk tocando, as pessoas andam sem camisa, as ruas mal têm asfalto e tem lixo pra todo canto. Sou pobre e moro num bairro pobre. Só que se eu deixar que a pobreza do meu olhar domine minha opinião sobre o território em que estou inserido, vou viver dentro de casa — e nunca conhecerei gente legal no bairro.
Sabe o que fiz pra mudar isso? Mudei minha visão. Com um ano caminhando para a praia poluída que tem aqui perto, frequentando barzinhos michurucas da região (que só tem adultos) e indo ao mercado sozinho, conheci um monte de gente que ouve a mesma música que eu e assiste os mesmos filmes. Somos diferentes? Muito. Mas temos gostos em comum. Isso só aconteceu porque deixei a vida me surpreender, em vez de esperar (ou ver) o pior de tudo. Experimente.

7. OU NÃO LEVANTE DA CAMA!
Você tem o direito de passar o dia inteiro debaixo das cobertas! Dane-se o banho! Dane-se a luz do sol! Você pode ler abraçado com o travesseiro, jogar Pokémon, fazer uma maratona de séries ou chamar alguém pra ver filme contigo! Tenho algumas sugestões:

como+tirar+folga
como+tirar+folga

8. DURMA CEDO
Não tente alongar sua folga dormindo tarde pra acordar cedo no dia seguinte, pois vai dormir mal, ficar de mau humor e estragará o resto da semana. Tome um chazinho de camomila, coma algo leve e vá para a cama num bom horário, para dormir sem culpa. Esse equilíbrio é bom para que você sobreviva até a próxima folga sem querer matar ninguém.

O DIA DE FOLGA PRODUTIVO
Relaxar é bom, mas você pode transformar seu dia de folga num investimento. Eu, por exemplo, gosto de ler sobre gestão de blogs e aprender novas ferramentas para aprimorar meu trabalho. Você pode começar a cuidar do corpo, visitar novos bairros, ir a pontos turísticos da cidade ou conhecer um amigo de internet. Na sua folga, faça o que te deixa bem. O inferno são os outros.

O que você faz quando está de folga?

Como fazer projetor de imagens sem gastar nada

Funciona de verdade!
Discípulos de Peter Pan como fazer projetor diy

Até eu achei que fosse pegadinha quando vi o tutorial original, mas funciona! Fazer um projetor de fotos para usar com o celular é muito fácil e dá pra usar coisas que você já tem em casa! Olha só:

MATERIAIS

– Caixa de sapato
– Lupa
– Fita isolante
– Clipe de papel (opcional, para o suporte do celular)


COMO FAZER UM PROJETOR DIY COM CAIXA DE SAPATOS

Como fazer projetor de imagens sem gastar nada

1. Se sua caixa de sapato não for preta por dentro, o ideal seria pintá-la dessa cor. Usei spray fosco.


Como fazer projetor de imagens sem gastar nada
Como fazer projetor de imagens sem gastar nada

2. Marque o local onde ficará a frente do seu projetor para inserir a lupa. Recorte esse círculo.


Como fazer projetor de imagens sem gastar nada

3. Remova o cabo da lupa e a insira no buraco feito anteriormente. Com a fita crepe, prenda a lente, tapando todos os buracos.


Como fazer projetor de imagens sem gastar nada

4. O projetor está pronto! Para usá-lo com o celular é necessário ter um suporte para o aparelho ficar deitado na caixa. Com um clipe de papel você pode repetir o passo a passo dessa imagem e se divertir!


IMAGEM INVERTIDA

Se colocar o celular dentro do projetor, perceberá que a imagem sai de cabeça para baixo na parede. Isso acontece porque a lente inverte a posição vertical e horizontal da luz que passa por ela. Para resolver o problema:

ANDROID – Use o app Ultimate Rotation Control (ou similar) para travar a rotação de imagem no modo paisagem (deitado). Depois coloque o celular no estande de modo que a tela fique com a imagem de cabeça para baixo. Relaxa que a imagem será exibida de maneira correta na parede. O único problema é que se você quiser assistir filmes legendados, a imagem estará invertida horizontalmente — e ainda não descobri como espelhar um android horizontalmente. Se alguém souber, comenta!

AssistiveTouch

iOS – Você deve ir na em Ajustes > Geral > Acessibilidade e ligar a opção AssistiveTouch. Assim que ativar vai aparecer uma bolinha branca que pode ser arrastada pela tela. Clique nela e acesse Dispositivo > Rotacionar Tela.


PARA FOCAR

Use o brilho da tela no máximo, coloque o celular no fundo da tela e vá arrastando-o para mais perto da lente até encontrar o foco da imagem projetada na superfície (parede, lençol estendido etc). Encontrando a posição ideal, é só se divertir!

O que achou do tutorial? Funcionou? Comente!

Halloween: Como comemorar o Dia das Bruxas com estilo

Halloween: Como comemorar o Dia das Bruxas com estilo

A diferença do Dia das Bruxas para o carnaval é que o final de outubro tem músicas mais universais, lendas sombrias e festas mais estilosas. Como comemorar uma celebração que ainda está se implantando no Brasil? Nesse guia você encontra links para artigos do blog que traçarão uma rota para que você passe esse Halloween em estilo, aprimorando o que já acha que sabe.

Planeje sua fantasia
Dia das Bruxas não é o mesmo sem fantasia! Escolha a sua, compre ou faça você mesmo, e tenha esse item essencial para qualquer festa:
• Como fazer 10 fantasias de última hora pro carnaval e Halloween
• Como fazer keyblade Kingdom Hearts
• Roupas e decoração do filme Jovens Bruxas
• Como customizar camisa com água sanitária
• Como fazer camisa Batman (versão sanguinária do Joker em The Dark Knight)

Dê uma festa temática
Você pode fazer uma reunião pequena, com chá e leituras de tarot, ou uma festa temática, com decoração, playlist específica e fotos maneiras.
Escolha a playlist ideal
Enquanto as pessoas chegam na sua festa, pode estar tocando músicas temáticas antes da seleção de canções universais. Tenho ideias de playlists postadas no site através do 8tracks, que podem ser ouvidas no computador ou smartphone conectado à internet:

Jogos para festas
As conversas vão morrendo aos poucos, por mais interessante que o ambiente esteja. Para evitar o tédio, e se a galera estiver cansada demais pra dançar, separei dois joguinhos improvisados pra gargalhar:


Faça uma maratona de filmes
Não está com vontade de sair? Não tem grana para fazer fantasia? Prefere chamar amigos ou ficar com o namorado encubado num edredom? Aqui estão filmes e séries para comemorar o

Comemore como puder
Se você mora no interior e as festas de Halloween não existem ou são longe, se não tem companhia ou namorado, comemore mesmo assim! Faça um brigadeiro de panela, coloque seus filmes preferidos e se conecte à energia dessa data. Se acredita em simpatias, escreva um desejo simples num pedaço de papel e queime-o pedindo que os espíritos de luz do Dia das Bruxas ajudem-no a realizá-lo aqui na Terra. Afinal, o que seria do Dia das Bruxas sem nós, bruxões?

Como você comemora o Halloween na sua região? Comente!

Cafezinho na Nave / Conheça Pockets Comics

Olá, Cruzadores. Este é o nosso primeiro Cafezinho na Nave de 2019, e para degustar o líquido negro, trouxe para vocês uma dupla muito talentosa, cujo trabalho encontrei no Facebook: Isabella e Renato, os responsáveis pela Pocket Comics.

Quem faz o Pockets Comix?

Renato Lima: A criação é em conjunto.

Isabella: Entre o Renato (roteirista e editor das Pockets) e eu (Isabella Amaral), responsável pelas ilustrações.

Cafezinho na Nave

Renato: Um completa o trabalho do outro, desde o início do projeto.

Como vocês se conheceram?

Isabella: Em 2006, durante um workshop de quadrinhos ministrado pelo Renato. Eu estava fazendo Cinema, queria buscar algo relacionado a desenho, mas ainda estava meio perdida. Fiz o curso com a intenção de aprimorar minha técnica, desenvolver meu traço. Mas consegui muito mais, porque o Renato me apresentou vários autores que abriram minha cabeça e me influenciaram muito, o que foi fundamental pra que posteriormente eu decidisse seguir por esse caminho.

Renato: Acho que o grande lance é esse: expandir o seu horizonte com relação aos quadrinhos. Há muita discussão com relação à quem lê super-heróis, quem lê quadrinhos independentes, quem lê mangá… Se esse ou aquele quadrinho é para menino ou menina, infantil ou adulto, se é literatura ou não… E você pode perder a chance de ter um contato com uma obra magnífica por conta de um preconceito, por se limitar a um gênero. Tem tanta coisa boa para ler por aí e tão pouco tempo nessa vida. Tantas histórias de bolso para ainda serem contadas. =)

 Como surgiu a ideia?

Isabella: Após alguns encontros e trocas de idéias (por volta de setembro de 2012), percebemos um desejo mútuo por produzir quadrinhos que retratassem situações cotidianas.

Renato: Como uma mini crônica da cena de hoje. Sutil e poética algumas vezes, bem-humorada em outras.

Isabella: Quando mostrei meu trabalho atual pro Renato, ele achou que casava bem com os roteiros que estava produzindo e eu também me identifiquei bastante com o que ele tinha a dizer. Após algumas conversas para definir o visual dos quadrinhos, começamos efetivamente a produzir com o intuito de atingir o público da web.

Renato: Por isso a idéia de um quadrinho que coubesse sem cortes na timeline do Facebook. Para facilitar a visualização e o compartilhamento, como ocorre com os memes.

 Como é o processo de criação?

Renato: Eu envio as idéias esboçadas (rabiscos mesmo) para a Isabella, com algumas indicações.

Isabella: Em cima disso eu trabalho as ilustrações, com aguadas de naquim e depois tratamento digital.

Renato: A Isa também cuida da diagramação do texto e acrescenta detalhes que não estavam no roteiro original, o que sempre me surpreende!

Quais as intenções com este projeto?

Isabella: No início, não pensamos em focar num determinado gênero apesar de algumas pessoas terem identificado as histórias especificamente com o público feminino.Renato: Acharam até que era o contrário: que eu desenhava os roteiros da Isa. rsrsrs

Simplesmente são observações do que acontece conosco e ao nosso redor, com os nossos amigos e amigas. E também inspiradas nos quadrinhos autorais que curtimos.

Isabella: Os personagens e casos roteirizados pelo Renato são bastante diversificados, gerando muitos comentários de pessoas que se vêem de alguma forma retratadas ali ou que conhecem outros que já viveram a mesma situação, o que também estimula o público a compartilhar as Pockets.

Renato: A resposta do leitor é imediata nas redes sociais e um super incentivo para nós. A nossa intenção é lançar mais coisas dentro do universo das Pockets.

O que vocês fazem quando não estão criando?

Isabella: Dificilmente não estou desenhando alguma coisa, mesmo que não seja pra Pockets!

Mas é sempre bom buscar inspiração não apenas nos quadrinhos, então gosto de me abastecer de referências no cinema, na música, na dança, na literatura, enfim, no que inspirar (que não precisa ser necessariamente nas artes também…pode ser na natureza, no cotidiano, nas pessoas, na vida como um todo se você estiver atento e aberto).

Atualmente estou trabalhando em algumas ilustrações para estampas, tanto de camisas quanto de cadernos. Espero em breve já poder divulgar alguma coisa. E quando não estou dançando ballet, curto ouvir um bom som: Morrissey, Beirut, Arcade Fire etc

Renato: Eu respiro desenho e música! rsrsrs

Quando não estou envolvido com storyboards (para publicidade e cinema) ou ilustração, estou produzindo ou discotecando em alguma festa bacana (no caso, a College Rock Party e a Yellow Submarine). E o meu lado adolescente leitor de quadrinhos ainda persiste, tento acompanhar o que sai nas bancas.

Isabella: E as festas são ótimas fontes de inspiração para as Pockets!

coracao

Vocês publicam trabalhos em outros lugares? 

Isabella: Sim, no www.bellasamaral.carbonmade.com/

Renato: Eu acabo trabalhando sempre por indicação, de uma produtora para outra. Mesmo no facebook, não costumo postar tanto os meus desenhos mas vou dar um jeito nisso esse ano,rsrs

Mas um dos locais onde sempre tem um desenho novo é no site Digestivo Cultural pois ilustro as crônicas da minha amiga Elisa Andrade Buzzo.

Bryan Singer evita comparações com filmes do Marvel Studios

Saudações tripulantes de um futuro esquecido!

Bryan Singer
Mandatory Credit: Photo by Chris Adkins/SilverHub/REX/Shutterstock (8136192k) Bryan Singer FX’s Legion Premiere, California, USA – 26 Jan 2017 Bryan Singer at the red carpet event of FX’s ‘Legion’ held at the Pacific Design Center on January 26th 2017 in West Hollywood California USA

Durante uma entrevista ao site SciFiNow, Bryan Singer andou discutindo com os que comparam seus filmes a franquia X com os do Marvel Studios.

“Ambos são baseados em revistas em quadrinhos e em algum ponto podem ter seus universos expandidos; e é onde a comparação termina. Pode parecer que estou na defensiva, e realmente estou porque fazer comparações entre X-Men: Dias de um futuro esquecidoe Os Vingadores é ridículo. O grupo é a união de várias franquias de personagens extremamente conhecidos e o Homem de ferro. Já falei do Homem de ferro?” –  comentou Synger – “Em algum momento a Fox fará o mesmo com os personagens de X-Men, mas esse processo ainda está no comecinho. Só que não vai ser a mesma coisa que pegar vários personagens cujos filmes renderam milhares de dólares e junta-los num blockbuster. Se você me der Robert Downey Jr.  numa armadura e permitir que ele se uma aos X-Men, aí sim poderemos ficar pau a pau com o Marvel Studios”.

O diretor e produtor foi modesto, mas a verdade é que apesar do lucro da franquia ter diminuído bastante com o surgimento do Marvel Studios, espera-se que na semana do lançamento o filme alcance um rendimento de por volta de U$ 100 milhões, o que fará de X-Men: Dias de um futuro esquecido o filme mutante de maior rendimento até o momento.