Marvel! e Os Fabulosos Vingadores

Há algum tempo o mercado de quadrinhos vêm sendo agitado por burburinhos, boatos, especulações e previews de o que a Marvel pretende fazer com a tal linha de publicações da Marvel Now.

Marvel Now

Para aqueles com vista grossa, a Marvel Now pode ser considerada só mais um grande evento / mega-saga envolvendo os maiores títulos da editora, o que pode ser um problema se for tratado desta maneira visto que – cada dia mais – as grande sagas diminuem o espaço de tempo entre elas, deixando de ser algo grande e tornando-se algo casual, somente mais uma ferramente caça níquel.

Porém, mercadologicamente, Marvel Now é o contra-ataque direto ao que a ~distinta concorrência~ fez em 2011 com seu reboot e os novos 52. A diferença aqui é que a Marvel não alterará nada na cronologia de seus heróis, o que passou, passou. O intuito de Marvel Now é integrar mais alguns títulos, alavancando as vendas envolvendo todos em uma única trama. Ou seja, mais uma mega-saga. ¬¬

Alguns títulos, casualmente, terão seus números de lançamento zerados, voltando aos one shot #00 ou #01. Alguns sofrerão um acréscimo de volume, como aconteceu com o Homem Aranha Ultimate, que passou pela numeração em V2 e agora está em V3. O que não influência em nada, diretamente, da história mas serve como “marcação” para uma grande mudança dentro da história. É como se fossem capítulos novos dentro das publicações mensais.

Além disso, várias revistas continuarão seguindo sua numeração normal ou entrarão no mercado como spin-offs de outras existentes, como é o caso da segunda publicação inicial da Marvel Now, Red She-Hulk, que inicia uma publicação dela porém continuando a partir da numeração que vinha sendo publicada nas mensais do Hulk: Mayan Rule, entrado no mercado como #58 ao invés de 01.

O foco de atenções aqui é a publicação inicial de Os Fabulosos Vingadores, ou Uncanny Avengers para os puristas. Aqui nota-se a continuação direta da última mega-saga da editora: Vingadores vs X-Men.

Spoiler adiante

A trama começa, ou continua dependendo do ponto de vista do leitor, com o Avalanche sofrendo uma lobotomia/implante cerebral. Paralelo a isso vemos o irmão de Scott Summers indo visitar seu irmão que encontra-se preso e vendado em uma câmara de energia após a morte do Professor X.

A edição inicial não mostra muito, só serve para situar o leitor no que está para acontecer e mostrar o tamanho do pepino que devemos esperar que, no caso, resume-se ao Caveira Vermelha de posse do cérebro de Charles Xavier, prometendo dominar o mundo com seus poderes psíquicos.

O que eu acho? Prefiro não opinar com tão pouco material publicado mas o departamento de “vai dar merda” já está me ligando aqui dizendo que a chance de dar merda é grande.

2 por 1! / Homens-Aranha e um mistério…

Enfim uma das coisas mais improváveis, para não dizer impossíveis e indesejáveis, do universo aracnídeo aconteceu: Peter Parker e Miles Morales se encontraram!

É verdade, amiguinhos…

2 Homens-Aranha juntos

Um dos grandes argumentos que fazia os fãs do cabeça de teia não imaginarem tal encontro baseava-se na dúvida de como unir dois personagens de universos distintos. A única saída aparente seria tocar o puteiro na linha espaço-temporal das duas linhas editoriais, causar uma catastrofe gigante e criar um buraco negro ou vórtice temporal que servisse de porta entre os dois universos e por aí vai, causando o maior fuzuê e etc.

SÓ QUE NÃO! A resposta certa nunca é a mais óbvia mas, quase sempre, é a mais simples. Porque não usar um dos inimigos mais corriqueiros do herói, adorado por muitos e odiados por multidões? Sim! Mistério!

2 Homens-Aranha

Aquele que, por muito tempo – e na mão de muitos roteiristas – foi subutilizado e rebaixado ao segundo escalão de vilões do Aranha, caiu como uma luva no impasse de como colocar os dois amigões da vizinhança frente a frente. Una à isso algum tipo de tecnologia bizarra, digna de Tony Stark e Reed Richards, e pronto! O circo está armado.

No primeiro volume, de um total de cinco edições, não recebemos grandes detalhes da trama, do que está acontecendo ou do que está para acontecer. Tudo que acontece, acontece rápido – como toda boa história do Aranha – e, quando você menos percebe, nosso herói faz uma burrada e a vaca vai pro brejo.

A revista termina no melhor estilo novela da Globo: mocinhos se encontrando, embasbacados, sem entender nada. É ÓBVIO que você vai ficar roendo as unhas até o volume dois chegar pra saber o que vai acontecer, nem precisava ter história boa pra isso acontecer.

O roteiro está nas mãos de Brian Michael Bendis, ninguém mais ninguém menos que o cara responsável por grande parte do que o universo Ultimate é hoje. Além disso, consta no curriculo do cara, trabalhos com Demolidor, Alias, a saga Dinastia M e a excelente HQ policial Powers.

Quem assume os desenhos é Sara Pichelli. Sara é uma das artistas da nova leva dos quadrinhos, trabalhando a “pouco tempo” com a Marvel. Já desenhou alguma coisa dos X-Men e, a partir do segundo volume de Ultimate Comics: Spider-Man, Sara foi contratada como artista principal responsável pelo aracnídeo na linha editorial.

quadrinho do homem aranha

Para os fãs de longa data do amigão da vizinhança, junto com o traço mais “pop” – definido assim por ela mesma – é possivel identificar algumas referências ao estilo clássico do desenho, principalmente na movimentação do Aranha, nos remetendo à dinâmica utilizada na década de 80 e 90 por John Romita Jr. e Todd McFarlane.
Por fim, mas não menos importante, a colorização fica na responsabilidade de Justin Ponsor. Justin é um colorista recorrente nas revistas do Aranha no universo Ultimate, já tendo – também – trabalhado em algumas edições dos X-Men e dos Vingadores, além de ter colorido uma boa parte da mega-saga Fear Itself (A Essência do Medo aqui no Brasil). O que recebemos nessa revista é uma pintura digital repleta de tons e sobre-tons muito bem definidos e delineados com alguns efeitos de pintura com aquarela, só como requinte.

Um trabalho muito bem capitaneado pelo trio, que empolga e cativa. Uma pena ser uma revista tão curta e que dure um mês para continuar…

SDCC: Criadores falam sobre AXIS e seus desdobramentos

Querem saber mais sobre AXIS, o evento que possivelmente mudará a cara da Marvel? Eles andaram falando sobre isso na San Diego Comic Com. O editor chefe Axel Alonso, os editores Mike Marts e Nick Lowe e o roteirista Rick Remender falaram não só a respeito do projeto como de outros.

Marvel

O primeiro update é do novo Capitão América. Além de manter suas asas ele terá um novo Nômade como parceiro. Após dormir com a filha de Arnin Zola, o ex-Falcão terá a companhia do irmão dela que foi adotado por Steve Rogers na Dimensão Z.  O maior inimigo da dupla será uma nova encarnação da Hidra, provavelmente uma releitura do que temos visto no MCU. Remender elogiou o trabalho de Stuart Immonen e avisou que os fãs devem ficar atentos à última página da edição 25. Nela serão plantadas as sementes tanto da nova Hidra quanto dos vilões que aparecerão na série do Soldado Invernal escrita por Remender. Sobre a Graphic novel Avengers: Rage of Ultron foi dito que será como a Piada Mortal, uma edição separada que teve base nos flashbacks e alterou o status quo dos personagens nas edições de linha ao longo dos anos. O que acontece no passado influenciará as histórias que serão contadas com a formação dos Vingadores pós AXIS.  Na história veremos Starfox e um novo tipo de Ultron. Outro personagem que ganhará destaque é o Visão, cuja missão do roteirista é mostrar o quanto o androide é fodão. As edições 24 de Uncanny Avengers e Capitão América, nove de Magneto e seis de Loki: Agent of Asgard estarão ligadas ao evento AXIS.  Magneto terá um papel importante na saga, já os títulos escritos por Remender terão de lidar com os planos de Arnin Zola e do Caveira Vermelha.  O evento terá três atos e todos estão tentando tomar cuidado para que o final do segundo ato não vaze. O vilão Homem-Planta retornará no evento e os Vingadores terão de lidar com ele. O Homem-Planta é um dos vilões preferidos do roteirista que queria traze-lo de volta há algum tempo.  Ciclope e Destrutor enfrentarão uma séria ramificação do evento e estarão na capa do segundo número da série. AXIS: Carnage terá um artista que todos amarão e AXIS: Hobgoblin terá muitas ligações com a saga principal, além de envolver a Goblin Nation. Correndo por fora teremos uma série apenso: AXIS: Revolutions. A partir de outubro Uncanny Avengers mostrará o confronto entre Magneto e Caveira Vermelha, o que levará ao cerne de AXIS, que será o conflito entre Magneto e Feiticeira escarlate e a solução que encontram para resolver o problema, uma solução capaz de criar mais problemas do que soluções. Também em outubro teremos as entradas de Deadpool e All New X-Factor na contenda. O Quarteto Fantástico não estará na história, mas os editores já têm algo planejado proa quatro aventureiros. O Duende Verde que foi substituído pelo Duende Macabro na capa da primeira edição. Segundo os editores Osborne cogitado, mas não se encaixava na série e o Massacre Vermelho só entrou na série porque Tom Brevoort insistiu muito. Remender entrou na defensiva, mas cedeu e achou uma boa ideia. Remender comentou que como qualquer roteirista aproveita muitas ideias boas que não foram usadas em seus títulos anteriores e que sim, algumas a forma que ele escreve é afetada pelos eventos. Um bom exemplo foi a ideia que ele e Kieron Gillen tiveram de que Tony Stark criaria um aplicativo baseado na linguagem de código do Extremis que será a base do novo título do personagem e começará a ser usada na saga.  A ideia infeliz será responsável pelo retorno de um vilão que surpreenderá a todos. Também foi dito que Jaime Madrox reaparecerá, mas não num título ligado aos X-Men. Remender disse que os X-Men estão acabados, uma piada que pode ter um grande fundo de verdade. O roteirista desmentiu o plano de matar Ciclope e disse que os X-Men serão uma presença marcante em sua nova saga. Também veremos o retorno de um vilão dos X-Men que será mostrado de uma forma completamente diferente. O vilão é ligado a Apocalipse. Outro personagem que terá uma participação marcante no evento será Odinson, o Thor desmerecido, o que implica que não teremos “a” Thor na série. O relacionamento do personagem com Loki será bastante explorado. Uma das ideias originais de AVX evento era matar os Vingadores e substitui-los pelos X-Men. Sobre o Capitão América negro. Eles gostaram da reação positiva.  Ainda porque ainda teremos Steve Rogers na revista, mas que ele entendeu após o arco “Nuke” que este outro homem e sua visão conversariam muito mais com a américa moderna do que ele. O projeto Avengers Now é sobre diversidade, mas surgiu a partir das diferentes ideias dos roteiristas envolvidos. Também há planos de trazer projetos com os adolescentes da Marvel e um deles será o Elixir. Aos poucos saberemos todas as novidades que a SDCC nos reserva. Ela está só começando.

Fonte: Bleeding Cool

A força se manifestará em dose tripla na Marvel

Saudações tripulantes que tem midiclorians correndo  em seu sangue.

Marvel

Conforme já foi anunciado em todos os meios de comunicação, com a compra da Lucasfilm a Disney devolveria os direitos para sua divisão de quadrinhos, a Marvel Comics, que voltaria a publicar quadrinhos da franquia após um hiato de quase três décadas.

Joe Quesada (sempre ele) falou do projeto em seu programa.  Segundo o gordito teremos mais de um título. Star Wars, título principal terá Jason Aaron e John Cassaday e será narrado no mesmo ponto histórico da primeira edição que saiu pela casa das ideias. Para o roteirista é como se ele tivesse sido contratado para escrever uma sequência do episódio IV já sabendo como seriam os filmes seguintes.A novidade confirma o que todos já sabiam: O universo expandido vai pro saco.

Além do título principal teremos mais dois “inesperados”. Kieron Gillen e Salvador Larroca estarão envolvidos com Star Wars: Darth Vader e Mark Waid e Terry Dodson estarão envolvidos com a minissérie em cinco edições Star Wars: Princess LeiaA série do pai explorará como um Jedi se torna Sith que foi o único sobrevivente da Batalha de Yavin se tornou um dos mais temidos líderes do império.

Apesar dele aparecer no título principal, o roteirista do título solo de Vader deixa claro que lidar com aquele grupo de rebeldes é apenas um de seus muitos afazeres.

Star Wars: Princess Leia será situada após o primeiro filme da série e apresentará ao leitor uma personagem sem chão após a morte de seus pais e a destruição de seu planeta. Na história ela terá de decidir ser será uma princesa sem trono ou assumirá suas responsabilidades como a líder capaz de reconstruir Alderaan.

Segundo Axel Alonso a mini da princesa Leia será apenas a primeira de várias minisséries baseadas no universo de Star Wars.

A sorte está lançada. Star Wars voltou a ser da Marvel e eles tem duas décadas de material que pode ser reaproveitado. A questão é saber se aproveitarão o que foi criado para os games, livros e HQs da Dark Horse. Quem sabe a Mara Jade