Começando nos quadrinhos Policiais

100 balas

Se um estranho lhe oferecesse a oportunidade única de cometer um assassinato e fugir ileso, você aceitaria? Nessa série diferentes cidadãos comuns, pessoas ordinárias, têm a oportunidade de se vingar de uma pessoa que alguma vez as tenha prejudicado, sem consequências. Girando sempre em torno de protagonistas diferentes, com histórias diferentes a cada revista, toda a série sustenta-se em um mesmo personagem: o agente Graves, o homem da maleta com um revolver, 100 balas e um “passe livre da prisão”. Com garantia de imunidade total, o que você faria?

quadrinhos Policiais

Powers

Super-heróis cruzam o céu das cidades como relâmpagos e lanças de fogo. Vilões extravagantes ousam assaltos em plena luz do dia. Criaturas aalienígenassemelhantes a semideuses enfrentam-se em batalhas épicas no céu noturno das cidades. Enquanto isso, nas ruas sujas cidade adentro, os detetives de homicídios Christian Walker e Deena Pilgrim só tentam fazer seu trabalho. Combinando os gêneros de fantasia de super-herói, crime noir e o cotidiano clássico da polícia, a série segue as vidas dos detetives atribuídos a investigar casos que envolvam pessoas com habilidades sobre-humanas (superhuman abilities), que são referidos coloquialmente como “poderes” (powers).

Happy!

Conheçam Nick Sax, um corrupto, embriagado ex-policial que virou um matador de aluguel, à deriva em um pegajoso e sombrio mundo de homicídios casuais, sexo sem alma, eczemas e traições. Com um trabalho de aluguel que deu errado, uma bala alojada no corpo, a polícia e a máfia em sua cola, e um monstruoso assassino de crianças em uma roupa de Papai Noel à solta, Nick e seu mundo serão mudados para sempre neste Natal. Por um pequeno e falante cavalo azul imaginário chamado Happy.

Casanova

Em Casanova conhecemos a I.M.P.E.R.I.O., uma agência internacional de super-espionagem responsável por manter a paz e a ordem no mundo. Cornelius, pai de Casanova, é o diretor e chefão todo poderoso da agência. Zephyr, sua irmã gêmea, é a principal agente de campo da I.M.P.E.R.I.O. e que começa a história investigando uma perturbação no tecido do continuum do tempo-espaço. Enquanto isso Casanova Quinn, um ladrão decadente e também a ovelha negra da família, é raptado através de dimensões paralelas onde o significado de sua sobrevivência repousa sob a máscara do maior agente secreto que o mundo já conheceu … Casanova Quinn.

Como avaliar a classificação de um quadrinho?

Se algum colecionador de quadrinhos pensou em sair – ou de fato saiu – da parte em que a coleção era somente um hobby qualquer e partiu para a parte hardcore, “profissional”, certamente uma das primeiras coisas com a qual se deparou foram as avaliações ou graduações das revistas.

Se você nunca viu, as graduações – muito comuns lá fora e raras aqui no brasil – são o que certificam e garantem ao dono e/ou futuro comprador sobre a integridade da revista. Por integridade pode-se considerar praticamente tudo que compõe a peça, desde certificar que de fato é uma revista original e não alguma cópia ou, por vezes, reimpressão mais atual, até garantir que todas as páginas estão em ordem, se os grampos estão novos ou soltos, se enferrujaram as páginas, se há danificações nas orelhas ou lombada. Enfim, absolutamente TUDO na revista é analisado e avaliado.

Depois de tudo analisado a revista recebe um código próprio, que pode variar entre tarja magnética, código de barras ou QR Code, e é lacrada em uma embalagem de plástico rígido, que irá garantir que a peça não poderá ser violada nem manuseada para diminuir a avaliação que recebeu e, por consequência, perder o valor de coleção.

A escala básica de avaliação para as revistas costuma transitar entre Near Mint (mais alta) e Poor (mais baixa) e utiliza a classificação por letras, para designar a qualidade aparente geral da revista. Sendo, inteira, assim:

  • NM – Near Mint
  • VF – Very Fine
  • FN – Fine
  • VG – Very Good
  • GD – Good
  • FR – Fair
  • PR – Poor

Porém essa não é a avaliação final, que fica registrada no material, ela servirá como guia para receber a avaliação final. Pode não fazer muito sentido, avaliar a mesma coisa duas vezes para dar duas notas diferentes, mas as instituições que trabalham com isso costumam ter – no mínimo – três pessoas diferentes avaliando a mesma peça, cada um julgando um aspecto diferente. Então, no final e com base na nota básica de cada um, é possível avaliar a peça como um todo e ter uma avaliação geral, mais detalhada e precisa.

A escala de classificação final trabalha com avaliação numérica, que acompanha as letras da avaliação anterior, e vai de 0 a 10, sendo completa assim:

  • 10.0GM Gem Mint
  • 9.9M Mint
  • 9.8NM/M Near Mint/Mint
  • 9.6NM+ Near Mint+
  • 9.4NM Near Mint
  • 9.2NM- Near Mint-
  • 9.0VF/NM Very Fine/Near Mint
  • 8.5VF+ Very Fine+
  • 8.0VF Very Fine
  • 7.5VF- Very Fine-
  • 7.0FN/VF Fine/Very Fine
  • 6.5FN+ Fine+
  • 6.0FN Fine
  • 5.5 FN- Fine-
  • 5.0VG/FN Very Good/Fine
  • 4.5VG+ Very Good+
  • 4.0VG Very Good
  • 3.5VG- Very Good-
  • 3.0GD/VG Good/Very Good
  • 2.5GD+ Good+
  • 2.0GD Good
  • 1.8GD- Good-
  • 1.5FR/GD Fair/Good
  • 1.0FR Fair
  • 0.5PR Poor

Ou seja, se na avaliação básica inicial a revista foi julgada como muito boa, VF – Very Fine, você (e a equipe de avaliação), já sabem que a nota final de classificação da revista estará entre 7.5 e 9.0 e assim sucessivamente.

Já vimos que os quadrinhos são classificados por uma escala de letras e números, agora vocês saberão o que cada um deles significa.

Near Mint (NM)

Um exemplar NM deverá estar em condições quase perfeitas – praticamente novo -, com apenas alguns defeitos muito minúsculos que beiram a insignificância. Pequenos defeitos que são aceitáveis em um exemplar NM são: uma quantidade muito pequena de saliências na lombada da revista porém sem quebras de cor, casos muito pequenos de amassados (dois ou três, no máximo, e minúsculos), cantos ligeiramente achatados e poucas e pequenas dobras (menos de 1/8 de polegada, o que é algo em torno de 3 milímetros), também sem quebras de cor.

Na escala de classificação de dez pontos, uma graduação máxima inferior, como 9.2, permitirá que estes defeitos possam aparecer em maior quantidade enquanto que em um grau de uma classe mais elevada, como 9.8, pode não haver defeito visível algum. “Mas Cleverson, se a revista não possui defeito visível algum porque ela não leva um 10.0?”

Pelo seguinte: mesmo não aparentando nenhum pequeno defeito como os citados sempre irá haver alguma coisa que desclassifique a revista como perfeita, seja no manuseio pelo correio ou pela banca/livraria/comic shop, ou qualquer coisa semelhante. Por mais que ninguém enxergue o resultado dessas ações, elas são consideradas, por isso o máximo que se tem o costume de graduar uma revista é 9.8. 10.0, só na saída da boca da impressora na gráfica.

Very Fine (VF)

Uma cópia VF tem pequenos defeitos mas ainda está em excelentes condições. Quadrinhos mais atuais que foram bem guardados (e especialmente se eles foram lidos) se enquadram nesta categoria. Defeitos aceitáveis em um VF são pequenos e incluem: um pequeno desgaste dos cantos, um pequeno acúmulo de stress na lombada da revista que pode incluir algumas quebras de cores, pequenas marcas nas extremidades, e curvas ou dobras menores de 1/4 de polegada – 6 milímetros e meio – (notem que em uma cópia VF , é aceitável alguma quebra de cor nas dobras ou curvas das páginas).

Fine (FN)

Uma história em quadrinhos em condição FN é considerada “acima da média”, mas ainda apresenta algum desgaste. Em geral, o apelo visual da revista cai um pouco devido a uma acumulação de pequenos defeitos ou um ou dois defeitos moderados (não as duas situações juntas). Defeitos aceitáveis numa cópia FN incluem: lombada levemente curvada (costuma acontecer quando revistas grampeadas são guardadas empilhadas de forma errada ou são enroladas), moderada acumulação de stress na lombada da revista que pode incluir algumas quebras de cores, marca ou dobra na lombada de menos de 1/2 polegadas – 1,2 centímetros – , pequenas manchas de água ou outro resíduo (menos do que o tamanho de uma moeda) e um dos cantos machucados.

Very Good (VG)

Uma história em quadrinhos em condição VG já mostra alguns desgastes significativos mas não acumulou defeitos suficientes para reduzir seu apelo visual a tal ponto que ela não seja uma cópia desejável. Uma cópia VG pode ter um acúmulo de pequenos defeitos ou um ou dois grandes. Defeitos aceitáveis em uma cópia VG incluem: lombada enrolada, rachadura de 1/2 a 1 polegada (1,2 a 2,5 centímetros) na lombada ou outros rasgos, capa ou páginas centrais destacada de um dos grampos, descoloração devido à oxidação, e um acúmulo moderado de danos causados pela água ou coloração.

Good (GD)

Uma cópia GD tem grandes defeitos mas ainda está completa e legível. Uma cópia GD vai ter uma quantidade significativa de danos, geralmente uma acumulação de defeitos menores pontuados com alguns defeitos maiores. Defeitos aceitáveis em uma cópia GD incluem: Um grande vinco vertical na lombada, de 1,5 a 2 polegadas (3,8 a 5,1 centímetros), capa ou paginas internas totalmente soltas dos grampos, grandes rasgos, descoloração massiva ou fragilidade nas páginas devido à oxidação, grandes quantidades de coloração, resíduos e danos causados pela água.

Fair (FR)

Um FR é o grau mais baixo que uma história em quadrinhos pode receber, desde que a história e arte estejam completos. Uma cópia FR terá praticamente nenhum apelo visual e irá exibir grandes danos. A história em quadrinhos em condição FR pode ter elementos que não façam parte da história, tais como cupons, páginas de anúncios ou selos cortadas ou destacadas do livro. Tipos de danos que colocam uma história em quadrinhos na faixa FR incluem: Um vinco na lombada de até 2/3 do comprimento da revista, uma capa ou contra-capa faltando porém com a restante ainda presa pelos grampos, graves danos causados por água ou outros resíduos, mofo e deterioração do papel devido à oxidação.

Poor (PR)

Em histórias em quadrinhos em condição PR podem estar faltando até 4 páginas da história ou exibir danos graves que afetam a legibilidade do livro.