Como aproveitar dias de folga

Me dedico tanto ao Discípulos de Peter Pan, ao vlog e meus livros que, quando tirava um dia de folga, não sabia o que fazer. Aos poucos, montei listas de interesses para quando estivesse livre e quisesse me entreter — além de trabalhar. Trouxe algumas dicas pra você aproveitar sua folga sem gastar dinheiro (e sem sair de casa).

Como aproveitar dias de folga

1. DESLIGUE SEU DESPERTADOR
Não tenha hora pra acordar! Não tenha obrigações! Hoje é o dia para não fazer nada por compromisso! Deixe suas responsabilidades de lado e se permita ser ocioso!

2. DEIXE O CELULAR OFFLINE (ATÉ PRECISAR DELE)
Também conhecido como “Modo avião”, faz com que seu celular não receba ligações e desliga o wi-fi/internet. Assim, só precisará ligá-lo se quiser falar com alguém (e não vai receber notificações o tempo todo, lembrando do projeto que precisa entregar para segunda-feira).

★ 48 horas longe do computador e celular

Deixe o celular no modo offline

3. SUBSTITUA CAFÉ PELO CHÁ
Amo café com todas as minhas forças, mas sou fraco pra cafeína: fico alucinado, agitado, e quero trabalhar ou sair de casa correndo (e pelado!). Em dias de folga, prefiro manter meu emocional equilibrado, calmo, fazendo a preguicinha chegar em mim sem esforço. Se você não gosta do seu trabalho, essa preguicinha vem facilmente, mas se você é workaholic que nem eu, sabe como é difícil relaxar… Chás são fáceis de fazer e ajudam a esfriar a mente (só não exagere no açúcar).

4. EXPLORE SUA CASA
Se você vive no quarto, use outro cômodo. Assista TV com seus pais, chame seu irmãozinho pra jogar Uno na sala (e cair na porrada). Pegue em livros ou leia seus blogs preferidos (espero que o DDPP esteja na lista) no sofá. Se a bagunça estiver incomodando, pode dar uma ajeitadinha (faxina hoje não, a não ser que te faça muito bem)! Dê um beijo no seu animal de estimação e agradeça por ter onde morar.

Substitua café pelo chá

5. COMA TUDO QUE VIR PELA FRENTE
SEM CULPA! Hoje pode! Tome um café da manhã bonito, não almoce miojo (faça algo mais legal ou peça pra alguém fazer), bata um bolo para o final da tarde e jante uma saladinha gostosa pra fechar a noite. Entre uma refeição e outra, belisque biscoito, leite condensado com coco ralado (fica uma delícia), paçoca e tudo que há de bom!

6. EXPLORE SEU BAIRRO
Aposto que você vai dizer: “mas aqui não tem porra nenhuma pra fazer, odeio todo mundo e mimimi”. É, eu também falava isso há dois anos. Porque moro na periferia, só tem funk tocando, as pessoas andam sem camisa, as ruas mal têm asfalto e tem lixo pra todo canto. Sou pobre e moro num bairro pobre. Só que se eu deixar que a pobreza do meu olhar domine minha opinião sobre o território em que estou inserido, vou viver dentro de casa — e nunca conhecerei gente legal no bairro.
Sabe o que fiz pra mudar isso? Mudei minha visão. Com um ano caminhando para a praia poluída que tem aqui perto, frequentando barzinhos michurucas da região (que só tem adultos) e indo ao mercado sozinho, conheci um monte de gente que ouve a mesma música que eu e assiste os mesmos filmes. Somos diferentes? Muito. Mas temos gostos em comum. Isso só aconteceu porque deixei a vida me surpreender, em vez de esperar (ou ver) o pior de tudo. Experimente.

7. OU NÃO LEVANTE DA CAMA!
Você tem o direito de passar o dia inteiro debaixo das cobertas! Dane-se o banho! Dane-se a luz do sol! Você pode ler abraçado com o travesseiro, jogar Pokémon, fazer uma maratona de séries ou chamar alguém pra ver filme contigo! Tenho algumas sugestões:

como+tirar+folga
como+tirar+folga

8. DURMA CEDO
Não tente alongar sua folga dormindo tarde pra acordar cedo no dia seguinte, pois vai dormir mal, ficar de mau humor e estragará o resto da semana. Tome um chazinho de camomila, coma algo leve e vá para a cama num bom horário, para dormir sem culpa. Esse equilíbrio é bom para que você sobreviva até a próxima folga sem querer matar ninguém.

O DIA DE FOLGA PRODUTIVO
Relaxar é bom, mas você pode transformar seu dia de folga num investimento. Eu, por exemplo, gosto de ler sobre gestão de blogs e aprender novas ferramentas para aprimorar meu trabalho. Você pode começar a cuidar do corpo, visitar novos bairros, ir a pontos turísticos da cidade ou conhecer um amigo de internet. Na sua folga, faça o que te deixa bem. O inferno são os outros.

O que você faz quando está de folga?

Halloween: Como comemorar o Dia das Bruxas com estilo

Halloween: Como comemorar o Dia das Bruxas com estilo

A diferença do Dia das Bruxas para o carnaval é que o final de outubro tem músicas mais universais, lendas sombrias e festas mais estilosas. Como comemorar uma celebração que ainda está se implantando no Brasil? Nesse guia você encontra links para artigos do blog que traçarão uma rota para que você passe esse Halloween em estilo, aprimorando o que já acha que sabe.

Planeje sua fantasia
Dia das Bruxas não é o mesmo sem fantasia! Escolha a sua, compre ou faça você mesmo, e tenha esse item essencial para qualquer festa:
• Como fazer 10 fantasias de última hora pro carnaval e Halloween
• Como fazer keyblade Kingdom Hearts
• Roupas e decoração do filme Jovens Bruxas
• Como customizar camisa com água sanitária
• Como fazer camisa Batman (versão sanguinária do Joker em The Dark Knight)

Dê uma festa temática
Você pode fazer uma reunião pequena, com chá e leituras de tarot, ou uma festa temática, com decoração, playlist específica e fotos maneiras.
Escolha a playlist ideal
Enquanto as pessoas chegam na sua festa, pode estar tocando músicas temáticas antes da seleção de canções universais. Tenho ideias de playlists postadas no site através do 8tracks, que podem ser ouvidas no computador ou smartphone conectado à internet:

Jogos para festas
As conversas vão morrendo aos poucos, por mais interessante que o ambiente esteja. Para evitar o tédio, e se a galera estiver cansada demais pra dançar, separei dois joguinhos improvisados pra gargalhar:


Faça uma maratona de filmes
Não está com vontade de sair? Não tem grana para fazer fantasia? Prefere chamar amigos ou ficar com o namorado encubado num edredom? Aqui estão filmes e séries para comemorar o

Comemore como puder
Se você mora no interior e as festas de Halloween não existem ou são longe, se não tem companhia ou namorado, comemore mesmo assim! Faça um brigadeiro de panela, coloque seus filmes preferidos e se conecte à energia dessa data. Se acredita em simpatias, escreva um desejo simples num pedaço de papel e queime-o pedindo que os espíritos de luz do Dia das Bruxas ajudem-no a realizá-lo aqui na Terra. Afinal, o que seria do Dia das Bruxas sem nós, bruxões?

Como você comemora o Halloween na sua região? Comente!

Cafezinho na Nave / Conheça Pockets Comics

Olá, Cruzadores. Este é o nosso primeiro Cafezinho na Nave de 2019, e para degustar o líquido negro, trouxe para vocês uma dupla muito talentosa, cujo trabalho encontrei no Facebook: Isabella e Renato, os responsáveis pela Pocket Comics.

Quem faz o Pockets Comix?

Renato Lima: A criação é em conjunto.

Isabella: Entre o Renato (roteirista e editor das Pockets) e eu (Isabella Amaral), responsável pelas ilustrações.

Cafezinho na Nave

Renato: Um completa o trabalho do outro, desde o início do projeto.

Como vocês se conheceram?

Isabella: Em 2006, durante um workshop de quadrinhos ministrado pelo Renato. Eu estava fazendo Cinema, queria buscar algo relacionado a desenho, mas ainda estava meio perdida. Fiz o curso com a intenção de aprimorar minha técnica, desenvolver meu traço. Mas consegui muito mais, porque o Renato me apresentou vários autores que abriram minha cabeça e me influenciaram muito, o que foi fundamental pra que posteriormente eu decidisse seguir por esse caminho.

Renato: Acho que o grande lance é esse: expandir o seu horizonte com relação aos quadrinhos. Há muita discussão com relação à quem lê super-heróis, quem lê quadrinhos independentes, quem lê mangá… Se esse ou aquele quadrinho é para menino ou menina, infantil ou adulto, se é literatura ou não… E você pode perder a chance de ter um contato com uma obra magnífica por conta de um preconceito, por se limitar a um gênero. Tem tanta coisa boa para ler por aí e tão pouco tempo nessa vida. Tantas histórias de bolso para ainda serem contadas. =)

 Como surgiu a ideia?

Isabella: Após alguns encontros e trocas de idéias (por volta de setembro de 2012), percebemos um desejo mútuo por produzir quadrinhos que retratassem situações cotidianas.

Renato: Como uma mini crônica da cena de hoje. Sutil e poética algumas vezes, bem-humorada em outras.

Isabella: Quando mostrei meu trabalho atual pro Renato, ele achou que casava bem com os roteiros que estava produzindo e eu também me identifiquei bastante com o que ele tinha a dizer. Após algumas conversas para definir o visual dos quadrinhos, começamos efetivamente a produzir com o intuito de atingir o público da web.

Renato: Por isso a idéia de um quadrinho que coubesse sem cortes na timeline do Facebook. Para facilitar a visualização e o compartilhamento, como ocorre com os memes.

 Como é o processo de criação?

Renato: Eu envio as idéias esboçadas (rabiscos mesmo) para a Isabella, com algumas indicações.

Isabella: Em cima disso eu trabalho as ilustrações, com aguadas de naquim e depois tratamento digital.

Renato: A Isa também cuida da diagramação do texto e acrescenta detalhes que não estavam no roteiro original, o que sempre me surpreende!

Quais as intenções com este projeto?

Isabella: No início, não pensamos em focar num determinado gênero apesar de algumas pessoas terem identificado as histórias especificamente com o público feminino.Renato: Acharam até que era o contrário: que eu desenhava os roteiros da Isa. rsrsrs

Simplesmente são observações do que acontece conosco e ao nosso redor, com os nossos amigos e amigas. E também inspiradas nos quadrinhos autorais que curtimos.

Isabella: Os personagens e casos roteirizados pelo Renato são bastante diversificados, gerando muitos comentários de pessoas que se vêem de alguma forma retratadas ali ou que conhecem outros que já viveram a mesma situação, o que também estimula o público a compartilhar as Pockets.

Renato: A resposta do leitor é imediata nas redes sociais e um super incentivo para nós. A nossa intenção é lançar mais coisas dentro do universo das Pockets.

O que vocês fazem quando não estão criando?

Isabella: Dificilmente não estou desenhando alguma coisa, mesmo que não seja pra Pockets!

Mas é sempre bom buscar inspiração não apenas nos quadrinhos, então gosto de me abastecer de referências no cinema, na música, na dança, na literatura, enfim, no que inspirar (que não precisa ser necessariamente nas artes também…pode ser na natureza, no cotidiano, nas pessoas, na vida como um todo se você estiver atento e aberto).

Atualmente estou trabalhando em algumas ilustrações para estampas, tanto de camisas quanto de cadernos. Espero em breve já poder divulgar alguma coisa. E quando não estou dançando ballet, curto ouvir um bom som: Morrissey, Beirut, Arcade Fire etc

Renato: Eu respiro desenho e música! rsrsrs

Quando não estou envolvido com storyboards (para publicidade e cinema) ou ilustração, estou produzindo ou discotecando em alguma festa bacana (no caso, a College Rock Party e a Yellow Submarine). E o meu lado adolescente leitor de quadrinhos ainda persiste, tento acompanhar o que sai nas bancas.

Isabella: E as festas são ótimas fontes de inspiração para as Pockets!

coracao

Vocês publicam trabalhos em outros lugares? 

Isabella: Sim, no www.bellasamaral.carbonmade.com/

Renato: Eu acabo trabalhando sempre por indicação, de uma produtora para outra. Mesmo no facebook, não costumo postar tanto os meus desenhos mas vou dar um jeito nisso esse ano,rsrs

Mas um dos locais onde sempre tem um desenho novo é no site Digestivo Cultural pois ilustro as crônicas da minha amiga Elisa Andrade Buzzo.

Bryan Singer evita comparações com filmes do Marvel Studios

Saudações tripulantes de um futuro esquecido!

Bryan Singer
Mandatory Credit: Photo by Chris Adkins/SilverHub/REX/Shutterstock (8136192k) Bryan Singer FX’s Legion Premiere, California, USA – 26 Jan 2017 Bryan Singer at the red carpet event of FX’s ‘Legion’ held at the Pacific Design Center on January 26th 2017 in West Hollywood California USA

Durante uma entrevista ao site SciFiNow, Bryan Singer andou discutindo com os que comparam seus filmes a franquia X com os do Marvel Studios.

“Ambos são baseados em revistas em quadrinhos e em algum ponto podem ter seus universos expandidos; e é onde a comparação termina. Pode parecer que estou na defensiva, e realmente estou porque fazer comparações entre X-Men: Dias de um futuro esquecidoe Os Vingadores é ridículo. O grupo é a união de várias franquias de personagens extremamente conhecidos e o Homem de ferro. Já falei do Homem de ferro?” –  comentou Synger – “Em algum momento a Fox fará o mesmo com os personagens de X-Men, mas esse processo ainda está no comecinho. Só que não vai ser a mesma coisa que pegar vários personagens cujos filmes renderam milhares de dólares e junta-los num blockbuster. Se você me der Robert Downey Jr.  numa armadura e permitir que ele se uma aos X-Men, aí sim poderemos ficar pau a pau com o Marvel Studios”.

O diretor e produtor foi modesto, mas a verdade é que apesar do lucro da franquia ter diminuído bastante com o surgimento do Marvel Studios, espera-se que na semana do lançamento o filme alcance um rendimento de por volta de U$ 100 milhões, o que fará de X-Men: Dias de um futuro esquecido o filme mutante de maior rendimento até o momento.

Breaking RED: interseções entre duas recentes críticas ao ‘sonho americano’ na arte

Breaking RED

But there has been also the American dream, that dream of a land in which life should be better and richer and fuller for every man, with opportunity for each according to his ability or achievement.

( James Truslow Adams)

spoilers

Esse post possui poucos porém MUITO significativos (e por muito significativos eu quero dizer: estragam o final) spoilers de Breaking Bad e RED. Proceda com cautela.

Com a recém-terminada última temporada de Breaking Bad, me vem ocorrendo algumas semelhanças entre a aclamada série de televisão e RED, um quadrinho não tão reconhecido, mas igualmente provocador. No cerne de ambas histórias (além de protagonistas carecas na meia idade) está o peso do sonho americano e as cicatrizes deixadas pela crença de que querer é poder e que o sucesso ou o fracasso dependem exclusivamente da vontade.

No site onde encontrei esse gif ele estava intitulado “walter white is an american badass”. Mais conveniente para meus propósitos neste post, impossível…

Segundo esta pesquisa da Folha, não estamos aqui no Brasil tão distantes deste mito. Acreditamos ser a maldade inerente às pessoas a maior causa da criminalidade e um surpreendente percentual de 33% dos entrevistados crê que a pobreza esteja ligada à preguiça dos que não querem trabalhar. Claro, isso significa menos da metade da população. Mas em um dos países mais desiguais do mundo, e onde até 2011 15% da população vivia ainda abaixo da linha da pobreza, é uma percentagem assustadora.

RED e Breaking Bad partilham, além de seus protagonistas badasses, carecas e de meia-idade a temática da falha do sonho americano como pano de fundo. Walter White (protagonista de Breaking Bad) e Paul Moses (protagonista de RED) no início da história são ambos a marca da hipocrisia da classe média de que aqueles que trabalham o suficiente merecem um descanso no fim da vida. Ambos são suficientemente relacionáveis para que de início acreditemos que eles sejam os heróis da trama. Eles se revoltam contra um sistema mau e isso é legal não?

Acontece que os autores não narram a história de heróis que abnegadamente lutam contra o sistema. Walter White, o pacato professor de química que resolve produzir e traficar drogas para pagar seu tratamento após descobrir que tem câncer, e Paul Moses, agente secreto aposentado que parte numa trilha de vingança após a atual direção da CIA resolver eliminá-lo, são menos instrumentos de transformação de seus mundos do que seus produtos. Espelhos que revelam, por uma redução ao absurdo, o lado negro do American Dream.

Tanto Walt, que progressivamente abraça mais e mais o espírito do capitalismo americano, como Moses, que censura a nova geração de agentes da CIA por não serem ‘homens de verdade’ e não aguentarem encarar o que agentes como ele fizeram (por ser “necessário”) para garantir a segurança dos EUA, estão completamente inseridos dentro da lógica do sonho americano, atraídos por essa fábula como insetos por uma chama.

Para assistir a serie completa Breaking, recomendo compra lista iptv completa e utilizar esse sistema maravilhoso.

Evidentemente [SPOILERS à frente] como os insetos que se aproximam demais do fogo, o fim de ambos é trágico. Moses e White morrem porque nesse, e apenas nesse sentido, são ‘heróicos’: eles sofrem até às últimas consequências os males de sua cultura. São, os dois, rejeitados… White é o típico loser, que vê no tráfico a chance de se tornar alguém (o temido Heisenberg). Moses, no fundo, apenas quer ser aceito.

Como cidadão comum, aposentado, de início, depois por imposição, a ferro e a fogo quer fazer com que engulam sua acrobacia pseudo moral de que ele é um ‘homem de verdade’ que fez o que fez ‘pelo país’ e que tem nojo daqueles que vivem na cegueira de crer que a supremacia americana foi construída na base de valores democráticos e humanitários.

A brincadeira com um possível Breaking Bad canadense que colapsa no primeiro episódio mostra o quanto BB é um produto da cruel lógica de saúde estadunidense.

Os canais no Brasil que passam o seriado é o AMC e FX para ter acesso a esses canais da tv fechada recomendo utilizar um servidor de cs e esse sistema é muito bom tem teste grátis só paga depois que ja tiver usando

O fato é que apesar de podermos simpatizar com o drama dos dois personagens, eles são ambos completos babacas imorais e inconsequentes, que se escondem em desculpas esfarrapadíssimas (‘fiz pela família’, ‘fiz pelo meu país’) para justificar toda sorte de desvios éticos. A quase completa inconsciência moral de ambos de imediato os desqualifica como ‘heróis’.

Ambos porém garantem seu espaço como personagens bem construídos e críveis e que figuram entre os que com maior sucesso conseguiram realizar uma crítica de nossa época, mesmo usando formatos menos ‘prestigiosos’ aos olhos do público geral (TV e HQ) .

E isso tudo sem abrir mão de entreter.

Moral da história: massavéio não exclui roteiro bem elaborado, nem compromisso crítico do autor. #fikadika.

Capa Variante do Casamento Gay de Astonishing X-Men e Muita Confusão

Bom dia tripulação, A Marvel Comics aproveitou o evento do momento no universo mutante e relevou, no site Rollingstone.com, a capa variante para a edição de Astonishing X-Men #51, feita pelo artista Marko Djurdjevic, exibindo o momento pelo qual muitos leitores estavam esperando: a confirmação do casamento entre Estrela Polar e Kyle Jinadu, mostrando um beijo entre o casal.

astonishing

 Mas, fora isso, surge outra notícia interessantemente bizarra: a One Million Moms, uma iniciativa conservadora Cristã, lançou – sem sucesso – uma campanha em fevereiro, pedindo para pararem com a venda de uma edição de  Life with Archie e, logo depois, voltou seus olhos para a Marvel e DC Comics e você devem saber porquê.

Elas olharam para as editoras logo depois do anúncio da DC Comics de reintroduzir um de seus maiores icones como sendo gay e a Marvel Comics por anunciar o casamento entre o Estrela Polar e seu namorado Kyle Jinadu em Astonishing X-Men #51.

Segundo o site desse grupo, as crianças desejam apenas serem como super-heróis.

Crianças imitam as ações de seus super hoeróis e se vestem em fantasia para imitar esses personagens. Você pode imaginar meninos dizendo “Eu quero um namorado ou marido como um X-Men?”.

De fato, se o pessoal da Marvel Comics e DC Comics está colhendo algo disso tudo é promoção. Agora, que é estranho – nos dias de hoje – acontecer casos de pessoas com este tipo de pensamento, isso é. Vale lembrarmos que o mundo é livre e a opinião de cada um deve ser escutada e, em certos casos, colocada de lado.

Deixamos claro que o Cruzador Fantasma não é partidário da homofobia e nem espera criar alguma confusão postando seu ponto de vista nesse caso, apenas achamos que cada um faz a escolha que quer e, se você vive em um mundo que não aceita isso, talvez seja melhor repensar seus modos afinal, acontecimentos assim estão ficando cada dia mais comum e natural de se ver.

Para ver o texto na integra visite o site da  One Million Moms.

Capitão Rapadura : Tem mais 40 anos do personagem

Olá tripulantes que apoiam quadrinhos nacionais!

Recebemos uma informação bacana em nosso e-mail do pessoal do Fórum de Quadrinhos do Ceará sobre o Capitão Rapadura, herói cearense criado em 1973 que está completando 40 anos.

Historia Capitão Rapadura

Pra comemorar esses 40 anos trazendo divertidos quadrinhos, mensagens engrandecedoras e atitudes exemplares, colocando o personagem como símbolo do povo cearense, tanto em sua maneira positiva de tratar o mundo, como em sua forma divertida de encarar as dificuldades, o  Fórum de Quadrinhos do Ceará e o Armazém da Cultura vão trazer um Álbum comemorativo do personagem.

Capitão Rapadura

Nesse álbum o personagem será revisitado por diversos artistas cearenses, ao todo 25 profissionais entre desenhistas, roteiristas, coloristas, designers, animadores, ilustradores e historiadores se reúnem para trazer 15 histórias homenageando o Capitão Rapadura e os personagens de seu universo, como seu sobrinho Brinquedo e o ladrão Babau Lalau.

Além das histórias homenagens, o álbum consta de uma linha do tempo, organizada pelo entusiasta e jornalista de quadrinhos Ronaldo Barreto, com os principais momentos desses 40 anos de vida, a releitura de uma história clássica e prefácio feito pelo jornalista e planejamento editorial da Maurício de Sousa Produções, Sidney Gusman.

Álbum é colorido Capitão Rapadura

O álbum é colorido, tem 116 páginas, acabamento com lombada quadrada e capa cartonada com brilho, e podem se preparar pois o álbum terá duas datas de lançamento confirmadas, uma delas será no FIQ (dia 16.11 – 15h, Stand Fórum de Quadrinhos do Ceará (Serraria Souza Pinto, Av. Assis Chateaubriand, 809, Floresta. Belo Horizonte-MG) e a outra na terra natal do personagem, em Fortaleza (dia 26.11 – 19h, auditório da Biblioteca da Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz. Fortaleza-CE).

E para os tripulantes que ficaram curiosos, segue algumas amostras de páginas que os amigos do Fórum de Quadrinhos nos enviaram para divulgação.

Os Maiores Clássicos do Quarteto Fantástico Vol. 1

duas maiores editoras de quadrinhos americanas um certo cansaço abateu-se sobre mim. A busca por mais sincronização com seus universos cinematográficos e de games causou um bloqueio criativo na maioria dos roteiristas de hq.

Maiores Clássicos do Quarteto Fantástico quadrinhos

Ninguém mais arrisca nada (e se arrisca não sabemos pois os editores abortam os projetos antes mesmo que alguém os tenha visto no papel) e nos vemos presos em publicações com belas artes (acho sim que os desenhistas atuais são bem competentes) mas de roteiros engessados por interesses corporativos dos mais variados.

Foi quando decidi resgatar um período clássicos dos anos oitenta: o ciclo de seis anos de John Byrne no Quarteto Fantástico. E como foi prazeroso ler tantas boas histórias seguidas, tantos arcos seguidos com a arte ainda fascinante de Byrne e seus roteiros repletos de ficção científica, resgatando o Quarteto original de Stan Lee e Jack Kirby, do grupo que tentava desbravar os maiores e mais bizarros mistérios da Terra e do Universo.

Em seu período está tudo lá : o Johnny Storm (Tocha Humana) imaturo e galanteador, o Ben Grimm (Coisa) sofrido mas de humor ácido, louco por sair de sua condição monstruosa, uma Susan Storm (Mulher Invisível) finalmente compreendendo melhor seus poderes e sua posição no grupo e um Reed Richards mais brilhante do que nunca.

Na fase de Byrne vemos como o poder do campo de força de Susan pode ser usado como uma arma, sendo projetado na direção do inimigo como um aríete super poderoso e ampliando sua participação efetiva no grupo nos momentos de combate, vemos um Franklin Richards com poderes imensuráveis mas que aparentam um  assustador e ainda indecifrável mistério… E vemos talvez o Doutor Destino mais poderoso, perigoso e ardiloso que já tenhamos visto até hoje – Os confrontos do Quarteto contra Victor Von Doom são dos melhores já produzidos pela Marvel, repletos de tensão, reviravoltas e o gosto de Byrne pela ficção fantástica.

Esta compilação reúne oito histórias deste período e resumem bem a variedade de temas e inimigos do período de John Byrne no Quarteto: Diablo e toda sua extravagância , a entidade espacial Ego , um retorno às origens do grupo que culmina com o retorno do Doutor Destino e as pequenas histórias fechadas em que Byrne enfoca cada um dos membros e seus problemas cotidianos (a luta por Ben Grimm tornar-se humano novamente, Johnny e sua namorada Frankie Raye e os problemas clássicos do casal Sue e Reed Richards).

A arte dinâmica aliada aos roteiros simples e cheios de ação fazem da leitura algo fácil, rápido e divertido, como poucos conseguem fazer atualmente sem soar massa véio ou juvenil demais. O Quarteto passou por outros bons roteiristas (Matt Fraction, Mark Waid, Mark Millar) mas sua fase oitentista com John Byrne sem dúvida é (claro, aliada à fase inicial com desenhos de Jack Kirby) um dos melhores períodos de um grupo de super heróis já feitos por uma editora mainstream americana.

E John Byrne ainda faria a Tropa Alfa, Vingadores da Costa Oeste, Superman, etc, etc, etc, etc