Capitão Rapadura : Tem mais 40 anos do personagem

Olá tripulantes que apoiam quadrinhos nacionais!

Recebemos uma informação bacana em nosso e-mail do pessoal do Fórum de Quadrinhos do Ceará sobre o Capitão Rapadura, herói cearense criado em 1973 que está completando 40 anos.

Historia Capitão Rapadura

Pra comemorar esses 40 anos trazendo divertidos quadrinhos, mensagens engrandecedoras e atitudes exemplares, colocando o personagem como símbolo do povo cearense, tanto em sua maneira positiva de tratar o mundo, como em sua forma divertida de encarar as dificuldades, o  Fórum de Quadrinhos do Ceará e o Armazém da Cultura vão trazer um Álbum comemorativo do personagem.

Capitão Rapadura

Nesse álbum o personagem será revisitado por diversos artistas cearenses, ao todo 25 profissionais entre desenhistas, roteiristas, coloristas, designers, animadores, ilustradores e historiadores se reúnem para trazer 15 histórias homenageando o Capitão Rapadura e os personagens de seu universo, como seu sobrinho Brinquedo e o ladrão Babau Lalau.

Além das histórias homenagens, o álbum consta de uma linha do tempo, organizada pelo entusiasta e jornalista de quadrinhos Ronaldo Barreto, com os principais momentos desses 40 anos de vida, a releitura de uma história clássica e prefácio feito pelo jornalista e planejamento editorial da Maurício de Sousa Produções, Sidney Gusman.

Álbum é colorido Capitão Rapadura

O álbum é colorido, tem 116 páginas, acabamento com lombada quadrada e capa cartonada com brilho, e podem se preparar pois o álbum terá duas datas de lançamento confirmadas, uma delas será no FIQ (dia 16.11 – 15h, Stand Fórum de Quadrinhos do Ceará (Serraria Souza Pinto, Av. Assis Chateaubriand, 809, Floresta. Belo Horizonte-MG) e a outra na terra natal do personagem, em Fortaleza (dia 26.11 – 19h, auditório da Biblioteca da Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz. Fortaleza-CE).

E para os tripulantes que ficaram curiosos, segue algumas amostras de páginas que os amigos do Fórum de Quadrinhos nos enviaram para divulgação.

Os Maiores Clássicos do Quarteto Fantástico Vol. 1

duas maiores editoras de quadrinhos americanas um certo cansaço abateu-se sobre mim. A busca por mais sincronização com seus universos cinematográficos e de games causou um bloqueio criativo na maioria dos roteiristas de hq.

Maiores Clássicos do Quarteto Fantástico quadrinhos

Ninguém mais arrisca nada (e se arrisca não sabemos pois os editores abortam os projetos antes mesmo que alguém os tenha visto no papel) e nos vemos presos em publicações com belas artes (acho sim que os desenhistas atuais são bem competentes) mas de roteiros engessados por interesses corporativos dos mais variados.

Foi quando decidi resgatar um período clássicos dos anos oitenta: o ciclo de seis anos de John Byrne no Quarteto Fantástico. E como foi prazeroso ler tantas boas histórias seguidas, tantos arcos seguidos com a arte ainda fascinante de Byrne e seus roteiros repletos de ficção científica, resgatando o Quarteto original de Stan Lee e Jack Kirby, do grupo que tentava desbravar os maiores e mais bizarros mistérios da Terra e do Universo.

Em seu período está tudo lá : o Johnny Storm (Tocha Humana) imaturo e galanteador, o Ben Grimm (Coisa) sofrido mas de humor ácido, louco por sair de sua condição monstruosa, uma Susan Storm (Mulher Invisível) finalmente compreendendo melhor seus poderes e sua posição no grupo e um Reed Richards mais brilhante do que nunca.

Na fase de Byrne vemos como o poder do campo de força de Susan pode ser usado como uma arma, sendo projetado na direção do inimigo como um aríete super poderoso e ampliando sua participação efetiva no grupo nos momentos de combate, vemos um Franklin Richards com poderes imensuráveis mas que aparentam um  assustador e ainda indecifrável mistério… E vemos talvez o Doutor Destino mais poderoso, perigoso e ardiloso que já tenhamos visto até hoje – Os confrontos do Quarteto contra Victor Von Doom são dos melhores já produzidos pela Marvel, repletos de tensão, reviravoltas e o gosto de Byrne pela ficção fantástica.

Esta compilação reúne oito histórias deste período e resumem bem a variedade de temas e inimigos do período de John Byrne no Quarteto: Diablo e toda sua extravagância , a entidade espacial Ego , um retorno às origens do grupo que culmina com o retorno do Doutor Destino e as pequenas histórias fechadas em que Byrne enfoca cada um dos membros e seus problemas cotidianos (a luta por Ben Grimm tornar-se humano novamente, Johnny e sua namorada Frankie Raye e os problemas clássicos do casal Sue e Reed Richards).

A arte dinâmica aliada aos roteiros simples e cheios de ação fazem da leitura algo fácil, rápido e divertido, como poucos conseguem fazer atualmente sem soar massa véio ou juvenil demais. O Quarteto passou por outros bons roteiristas (Matt Fraction, Mark Waid, Mark Millar) mas sua fase oitentista com John Byrne sem dúvida é (claro, aliada à fase inicial com desenhos de Jack Kirby) um dos melhores períodos de um grupo de super heróis já feitos por uma editora mainstream americana.

E John Byrne ainda faria a Tropa Alfa, Vingadores da Costa Oeste, Superman, etc, etc, etc, etc