Bebadaria de Super-heróis

De bêbado e beber eu entendo, aliás tenho até um site que nasceu por causa de um pequeno grupo de pessoas nerds que gostavam de jogar RPG regado a rum, vodka, cerveja, uísque e absinto.

batman bebado

Alias, beber é um ato cultural e social, civilizações foram criadas na base do álcool, ou seja, faz parte de nós humanos tomar umas. E se é assim, porque nossos heróis não poderiam? Claro que alguns deles volta e meia passam da conta e se isso por um lado acabou virando em problema, por outro lado foi fonte de histórias fantásticas. E não se esqueça que beber pode ser diversão, mas quando escapa do controle pode virar um problema pessoal e social.

Então, Cruzadores, ao ler este post, não bebam, mas se forem beber, me chamem.

10 / O COISA

Ben Grimm não tem super resistência ao álcool, ele bebe porque gosta, logo, eu tenho que admirar isso. E sério, se você fosse um cara normal, piloto e atleta e de repente você virasse um amontoado de pedras feioso e monstrengo, você beberia também. O Coisa afoga suas mágoas com litros de cerveja e jogos de poker e após beber ele começa a falar expressões dignas do bebum clássico: “Você é meu melhor amigo” e “Eu já te disse que comi uma ceguinha?”

09 / SUPERMAN

Já imaginou alguém como o Superman ficando bêbado? Claro que seria quase impossível com seus atributos sobre-humanos. Ele podia beber litros de cerveja e não mostraria nenhum efeito, porém, se o efeito do álcool no corpo de um alienígena fosse diferente? O Superman já foi visto fazendo algumas “bebices”, tanto na era de Ouro quanto na de Prata, todavia ninguém se esquece do porre que ele tomou no filme. Um Superman bêbado iria acabar em desastre, alias isso me lembrou uma piada:

Dois bêbados estavam em cima de um prédio e um falou para o outro:

– Cê duvida qui eu pule daqui de cima, faça um oito no ar e pouse? hic…

-Duvido! hic..ce vai e se estabacar!!!

Ai o bêbado 1 pulou, fez um oito no ar e pousou, e o bêbado 2 falou:

– Se ele consegue..hic..eu também consigo!!hic.. – E ele pulou:

– Aaaaaaaahhhhhhhhhhhhh…

– Se estabacou, e o porteiro do prédio fala:

-Pô aí… o Superman quando ta bêbado so faz merda…

08 / ARQUEIRO VERDE

Um dia, um mega milionário estava muito louco de bêbado em seu iate, quando de repente ele escorrega e cai do barco, indo parar em uma ilha. Lá, para sobreviver, ele começa a caçar usando um jogo rudimentar de arco e flecha, tempos depois prende uns maconheiros, volta pra casa e começa a combater o crime usando uma roupa verde, e tudo isso graças a bebida. Este mesmo cara começa a exagerar na bebida porque acidentalmente atinge um inocente, em seguida leva um esporro do Lanterna Verde e por fim, volta a brincar de Robin Hood.

07 / Jesse Custer, Cassidy, and Tulip

Um padre, um vampiro e uma loira gostosa entram num bar… Não, não é começo de piada. Personagens principais do melhor quadrinho do mundo que é a premiada serie Preacher, estas três figuras cruzaram os Estados Unidos tomando todas que podiam e as que não podiam também. Entravam em brigas, ensinaram o “Cara-de-Cu” a beber e virar homem e chutaram a bunda de um vampiro “viadinho”, ou seja, tudo em companhia da marvada.

06 / HITMAN

Se eu te contar que tem um cara que foi mordido por um parasita alienígena, infectado com um vírus que lhe garantiu telepatia limitada e “visão de raios-x” com certeza você vai achar que eu estou bêbado, mas ainda não estou. Monaghan usou esses dons para virar o mercenário número um de Gotham. Dotado de um próprio código de honra, Hitman mata apenas criminosos e vilões. Mesmo com este currículo ele já trabalhou ao lado de alguns heróis e a maioria deles não hesitariam em tacá-lo atrás das grades na primeira oportunidade. E este cara esta aqui porque  se encontra  com seu grupo de amigos, todos os dias, no Bar do Noonan. Tente a sorte e vá lá conhecê-los,  aliás, vale lembrar que  ele já vomitou nas botas do Batman.

05 / THOR

Não apenas Thor, mas seu três amigos guerreiros, especialmente Volstagg, não dispensam uma bebedeira regada ao melhor hidromel dos deuses. Para quem não sabe, o Thor do mito era muito mais hedonista do que sua versão da Marvel, aliás a cultura em que se baseia esta mitologia, fala muito de beber. Tinham o hidromel como uma bebida realmente feita pelos deuses e confesso que sou doido para beber hidromel.

04 / HÉRCULES

Por falar em deuses, não tem como deixar de fora da lista o Leão do Olimpo, o todo poderoso Hércules, este sim é dos meus: adora uma putaria, festas, bebedeiras e tudo isso desde a Grécia antiga. O semideus embarcou em aventuras épicas somente para beber, inclusive já foi expulso dos Elíseos por estar bêbado, já tomou uma com o Galactus, (se tem dúvida clica aqui) É como o meme diz: “Esse cara manja das putarias.”

03 / MISS MARVEL

Coitada da gostosa da Carol Danvers, sua vida começou mau, foi estuprada, teve seu poderes e memórias roubadas pela Vampira, com isso fica claro que ela chegaria um dia ao seu limite e foi justamente isso que aconteceu quando ela se entregou as bebidas, no mais clássico “vou beber para esquecer meus problemas”.  A garota começou beber antes, durante e depois do seu trabalho como heroína, chegando ao ponto de ser chamada na chincha pelos Vingadores para dar um basta na bebida.

02 / HOMEM DE FERRO

Falando em Homem de Ferro, ele é um dos mais famosos beberrões do universo dos quadrinhos, inclusive tendo um dos melhores arcos que fala justamente de seu problema com as bebidas. Conhecida como Demônio na Garrafa, é um momento histórico por tudo o que significou, não apenas para o herói mas como para os quadrinhos também. David Michelinie e John Romita Jr. redefiniram a personalidade de Tony Stark trazendo-o para o mundo real, com um inimigo forte e difícil de ser derrotado (ele mesmo e seu alcoolismo), mas também, com uma vida cheia de dinheiro, mulheres e uma armadura fodona fica ~difícil~ a vida da pessoa.

01 / WOLVERINE

Sim, eu sempre dou um jeito de colocar o Wolverine nas minhas listas, porém, eu tenho argumentação do porquê dele se encontrar aqui. Primeiro, ele já bebeu com quase todos desta lista e segundo, ele não fica bêbado facilmente, ou seja, pode colocar todos aqui no chinelo. Ele nunca dá trabalho por causa disso, nem foi expulso de nenhuma equipe e jamais arrumou desculpinha para beber, ele toma várias de livre e espontânea vontade e acima  de tudo, porque o post é meu e o Wolverine é fodão.

É meus queridos, você percebe que tem um problema com álcool quando o Tony Stark diz que você está bebendo demais e com isso eu pergunto, com qual herói você tomaria umas?  (Vale heróis fora da lista.)

Arqueiro Verde troca de equipe pela quarta vez

Saudações tripulantes mal rebootados!

Mais um título da DC vai trocar a equipe criativa.

Arqueiro Verde

A bola da vez é Arrow, digo… Arqueiro VerdeJeff Lemire e Andrea Sorrentino sairão de cena no número 34 e serão substituídos por MarcGuggenheim, Ben Sokolowski e Daniel Sampere.

A vida do personagem sofrerá uma nova reviravolta e ele voltará pra Seattle numa busca por uma mulher misteriosa. Segundo os autores não eles pretendem levar para os quadrinhos o que está funcionando na série de TV e eles não economizarão retcons para conseguir o que pretendem.

Uma das mudanças que os atores pretendem fazer será exatamente na personalidade do protagonista. Eles querem trazer de volta o Oliver Queen comunista de antes dos Novos 52.  Apesar do sucesso de Arrow, o Oliver Queen de várzea não decolou nos quadrinhos e nem mesmo a fase que teve Jeff Lemire escrevendo o personagem conseguiu impedir a queda de vendas.

Não seria o primeiro personagem dos Novos 52 a ser cancelado devido a um reboot mal feito, mas seria o único personagem da história a perder o título com uma série de TV em exibição.  Essa seria a quarta mudança de rumo do personagem em menos de quatro anos de título porque até o momento fizeram de tudo, menos dar o que o público quer.

Que tal trazer o universo antigo de volta e só tentar escrever boas histórias?

Fonte: Bleeding Cool

Artistas recriam primeira edição de Rom

Desde que sofreu um acidente andando de patins em 1992, Bill Mantlo tem dependido da bondade de estranhos. Com sérios danos cerebrais, ele mal consegue realizar suas funções básicas e tem sido ajudado pelo meio, que até já criou uma conta com o nome do autor em que todos podem depositar e ajuda-lo em sua sobrevida.

Artistas recriam primeira edição de Rom

De tempos em tempos algum grupo se reúne e faz algum projeto baseado em alguma de suas criações mais importantes. O alvo da vez é o Rom, o cavaleiro espacial, que pode não ter sido criação sua, mas teve seu roteiro em todas as 75 edições da revista. Um grupo de 20 artistas está recriando a primeira edição do título. O projeto batizado de ROM Remix é um trabalho voluntário cujos lucros serão voltados para o autor, cuja manutenção da sobrevida requer uma quantidade alta de verba externa, afinal, ele não pode colaborar com o próprio sustento.

O autor é o criador de Rocket Racoon, que ganhará o mundo este ano como um membro dos Guardiões da Galáxia, filme do qual ele supostamente não recebeu nenhum reembolso pelo uso de uma de suas criações.

Capitão Rapadura : Tem mais 40 anos do personagem

Olá tripulantes que apoiam quadrinhos nacionais!

Recebemos uma informação bacana em nosso e-mail do pessoal do Fórum de Quadrinhos do Ceará sobre o Capitão Rapadura, herói cearense criado em 1973 que está completando 40 anos.

Historia Capitão Rapadura

Pra comemorar esses 40 anos trazendo divertidos quadrinhos, mensagens engrandecedoras e atitudes exemplares, colocando o personagem como símbolo do povo cearense, tanto em sua maneira positiva de tratar o mundo, como em sua forma divertida de encarar as dificuldades, o  Fórum de Quadrinhos do Ceará e o Armazém da Cultura vão trazer um Álbum comemorativo do personagem.

Capitão Rapadura

Nesse álbum o personagem será revisitado por diversos artistas cearenses, ao todo 25 profissionais entre desenhistas, roteiristas, coloristas, designers, animadores, ilustradores e historiadores se reúnem para trazer 15 histórias homenageando o Capitão Rapadura e os personagens de seu universo, como seu sobrinho Brinquedo e o ladrão Babau Lalau.

Além das histórias homenagens, o álbum consta de uma linha do tempo, organizada pelo entusiasta e jornalista de quadrinhos Ronaldo Barreto, com os principais momentos desses 40 anos de vida, a releitura de uma história clássica e prefácio feito pelo jornalista e planejamento editorial da Maurício de Sousa Produções, Sidney Gusman.

Álbum é colorido Capitão Rapadura

O álbum é colorido, tem 116 páginas, acabamento com lombada quadrada e capa cartonada com brilho, e podem se preparar pois o álbum terá duas datas de lançamento confirmadas, uma delas será no FIQ (dia 16.11 – 15h, Stand Fórum de Quadrinhos do Ceará (Serraria Souza Pinto, Av. Assis Chateaubriand, 809, Floresta. Belo Horizonte-MG) e a outra na terra natal do personagem, em Fortaleza (dia 26.11 – 19h, auditório da Biblioteca da Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz. Fortaleza-CE).

E para os tripulantes que ficaram curiosos, segue algumas amostras de páginas que os amigos do Fórum de Quadrinhos nos enviaram para divulgação.

Alan Moore cria antologia digital

Saudações tripulantes que odeiam Prestobarba!

Pelo visto os quadrinhos digitais atraíram um nome de peso. Electricomics, o novo projeto de Alan Moore será tanto uma antologia com material inédito do espantoso barbudo e seus incríveis amigos quetambém servirá como plataforma para que outros autores possam publicar suas histórias.

Alan Moore cria antologia digital

Chegado em experimentações desde a incompleta minissérie Big Numbers, o mago inglês pretende descobrir todas as possibilidades narrativas e visuais dos quadrinhos digitais. Para isso, ele reunirá outros autores que toparam o desafio de criar histórias dentro desta premissa.

Entre os anunciados estão: Garth Ennis e Peter Snejbjerg que contarão uma história sobre a primeira guerra mundial, Peter Hogan cujo conto de horror modernista intitulado Cabaret Amygdala pode surpreender os leitores; além disso, ainda   teremos Sway a história de viagens no tempo de Leah Moore e John Reppion e Moore em pessoa escrevendo Big Nemo, que está sendo divulgada como continuação da clássica série de Windsor Mckay.

Antologia Alan Moore

A antologia ainda não tem data de lançamento, mas certamente ouviremos falar muito dela quando for lançada. Brigado com quase todas as editoras, Moore se associou a Mitch Jenkins para montar a Orfans of the Storm, empresa que “publicará” a antologia. Leah Moore será a editora.

O mecenas da empreitada será o Digital R&D Fund for the Arts e Ocasta Studios está desenvolvendo o aplicativo.

Empolgados com a novidade? O que vai ter de putinha do Moore querendo participar do projeto não tá no gibi.

Fonte: Newsarama

Marvel! e Os Fabulosos Vingadores

Há algum tempo o mercado de quadrinhos vêm sendo agitado por burburinhos, boatos, especulações e previews de o que a Marvel pretende fazer com a tal linha de publicações da Marvel Now.

Marvel Now

Para aqueles com vista grossa, a Marvel Now pode ser considerada só mais um grande evento / mega-saga envolvendo os maiores títulos da editora, o que pode ser um problema se for tratado desta maneira visto que – cada dia mais – as grande sagas diminuem o espaço de tempo entre elas, deixando de ser algo grande e tornando-se algo casual, somente mais uma ferramente caça níquel.

Porém, mercadologicamente, Marvel Now é o contra-ataque direto ao que a ~distinta concorrência~ fez em 2011 com seu reboot e os novos 52. A diferença aqui é que a Marvel não alterará nada na cronologia de seus heróis, o que passou, passou. O intuito de Marvel Now é integrar mais alguns títulos, alavancando as vendas envolvendo todos em uma única trama. Ou seja, mais uma mega-saga. ¬¬

Alguns títulos, casualmente, terão seus números de lançamento zerados, voltando aos one shot #00 ou #01. Alguns sofrerão um acréscimo de volume, como aconteceu com o Homem Aranha Ultimate, que passou pela numeração em V2 e agora está em V3. O que não influência em nada, diretamente, da história mas serve como “marcação” para uma grande mudança dentro da história. É como se fossem capítulos novos dentro das publicações mensais.

Além disso, várias revistas continuarão seguindo sua numeração normal ou entrarão no mercado como spin-offs de outras existentes, como é o caso da segunda publicação inicial da Marvel Now, Red She-Hulk, que inicia uma publicação dela porém continuando a partir da numeração que vinha sendo publicada nas mensais do Hulk: Mayan Rule, entrado no mercado como #58 ao invés de 01.

O foco de atenções aqui é a publicação inicial de Os Fabulosos Vingadores, ou Uncanny Avengers para os puristas. Aqui nota-se a continuação direta da última mega-saga da editora: Vingadores vs X-Men.

Spoiler adiante

A trama começa, ou continua dependendo do ponto de vista do leitor, com o Avalanche sofrendo uma lobotomia/implante cerebral. Paralelo a isso vemos o irmão de Scott Summers indo visitar seu irmão que encontra-se preso e vendado em uma câmara de energia após a morte do Professor X.

A edição inicial não mostra muito, só serve para situar o leitor no que está para acontecer e mostrar o tamanho do pepino que devemos esperar que, no caso, resume-se ao Caveira Vermelha de posse do cérebro de Charles Xavier, prometendo dominar o mundo com seus poderes psíquicos.

O que eu acho? Prefiro não opinar com tão pouco material publicado mas o departamento de “vai dar merda” já está me ligando aqui dizendo que a chance de dar merda é grande.

Adam Warlock no Vingadores?

No final de semana, Jim Starlin postou um curioso link em seu Facebook.

Informações de Adam Warlock em Vingadores

Segundo o site indicado a trama do terceiro Vingadores seria a Saga do Infinito. Se a suposição for verdadeira, Adam Warlock, que foi um personagem importante nas histórias do Infinito faria sua primeira aparição nos cinemas.

Com o surgimento de Thanos no primeiro Vingadores e as joias do infinito sendo citadas em todos os filmes “cósmicos” da Marvel

E é sempre bom lembrar que Starlin chegou a ser proibido de usar suas duas criações. Após ter ressuscitado Adam Warlock em uma de suas sagas, o artista foi avisado que a Marvel tinha outros planos para suas criações e ele foi obrigado a abandonar o novo projeto que envolveria Thanos e Warlock e foi ressuscitar o título Savage Hulk.

Em seu Facebook Starlin informou que recebeu a permissão da editora para usar os dois personagens, o que garante que a qualquer momento veremos Infinity Duel, a próxima saga de seus personagens.

Será que teremos Warlock e suas pérolas niilistas nos cinemas? Você gostaria de ver uma versão live action do personagem?

2 por 1! / Homens-Aranha e um mistério…

Enfim uma das coisas mais improváveis, para não dizer impossíveis e indesejáveis, do universo aracnídeo aconteceu: Peter Parker e Miles Morales se encontraram!

É verdade, amiguinhos…

2 Homens-Aranha juntos

Um dos grandes argumentos que fazia os fãs do cabeça de teia não imaginarem tal encontro baseava-se na dúvida de como unir dois personagens de universos distintos. A única saída aparente seria tocar o puteiro na linha espaço-temporal das duas linhas editoriais, causar uma catastrofe gigante e criar um buraco negro ou vórtice temporal que servisse de porta entre os dois universos e por aí vai, causando o maior fuzuê e etc.

SÓ QUE NÃO! A resposta certa nunca é a mais óbvia mas, quase sempre, é a mais simples. Porque não usar um dos inimigos mais corriqueiros do herói, adorado por muitos e odiados por multidões? Sim! Mistério!

2 Homens-Aranha

Aquele que, por muito tempo – e na mão de muitos roteiristas – foi subutilizado e rebaixado ao segundo escalão de vilões do Aranha, caiu como uma luva no impasse de como colocar os dois amigões da vizinhança frente a frente. Una à isso algum tipo de tecnologia bizarra, digna de Tony Stark e Reed Richards, e pronto! O circo está armado.

No primeiro volume, de um total de cinco edições, não recebemos grandes detalhes da trama, do que está acontecendo ou do que está para acontecer. Tudo que acontece, acontece rápido – como toda boa história do Aranha – e, quando você menos percebe, nosso herói faz uma burrada e a vaca vai pro brejo.

A revista termina no melhor estilo novela da Globo: mocinhos se encontrando, embasbacados, sem entender nada. É ÓBVIO que você vai ficar roendo as unhas até o volume dois chegar pra saber o que vai acontecer, nem precisava ter história boa pra isso acontecer.

O roteiro está nas mãos de Brian Michael Bendis, ninguém mais ninguém menos que o cara responsável por grande parte do que o universo Ultimate é hoje. Além disso, consta no curriculo do cara, trabalhos com Demolidor, Alias, a saga Dinastia M e a excelente HQ policial Powers.

Quem assume os desenhos é Sara Pichelli. Sara é uma das artistas da nova leva dos quadrinhos, trabalhando a “pouco tempo” com a Marvel. Já desenhou alguma coisa dos X-Men e, a partir do segundo volume de Ultimate Comics: Spider-Man, Sara foi contratada como artista principal responsável pelo aracnídeo na linha editorial.

quadrinho do homem aranha

Para os fãs de longa data do amigão da vizinhança, junto com o traço mais “pop” – definido assim por ela mesma – é possivel identificar algumas referências ao estilo clássico do desenho, principalmente na movimentação do Aranha, nos remetendo à dinâmica utilizada na década de 80 e 90 por John Romita Jr. e Todd McFarlane.
Por fim, mas não menos importante, a colorização fica na responsabilidade de Justin Ponsor. Justin é um colorista recorrente nas revistas do Aranha no universo Ultimate, já tendo – também – trabalhado em algumas edições dos X-Men e dos Vingadores, além de ter colorido uma boa parte da mega-saga Fear Itself (A Essência do Medo aqui no Brasil). O que recebemos nessa revista é uma pintura digital repleta de tons e sobre-tons muito bem definidos e delineados com alguns efeitos de pintura com aquarela, só como requinte.

Um trabalho muito bem capitaneado pelo trio, que empolga e cativa. Uma pena ser uma revista tão curta e que dure um mês para continuar…

Os Maiores Clássicos do Quarteto Fantástico Vol. 1

duas maiores editoras de quadrinhos americanas um certo cansaço abateu-se sobre mim. A busca por mais sincronização com seus universos cinematográficos e de games causou um bloqueio criativo na maioria dos roteiristas de hq.

Maiores Clássicos do Quarteto Fantástico quadrinhos

Ninguém mais arrisca nada (e se arrisca não sabemos pois os editores abortam os projetos antes mesmo que alguém os tenha visto no papel) e nos vemos presos em publicações com belas artes (acho sim que os desenhistas atuais são bem competentes) mas de roteiros engessados por interesses corporativos dos mais variados.

Foi quando decidi resgatar um período clássicos dos anos oitenta: o ciclo de seis anos de John Byrne no Quarteto Fantástico. E como foi prazeroso ler tantas boas histórias seguidas, tantos arcos seguidos com a arte ainda fascinante de Byrne e seus roteiros repletos de ficção científica, resgatando o Quarteto original de Stan Lee e Jack Kirby, do grupo que tentava desbravar os maiores e mais bizarros mistérios da Terra e do Universo.

Em seu período está tudo lá : o Johnny Storm (Tocha Humana) imaturo e galanteador, o Ben Grimm (Coisa) sofrido mas de humor ácido, louco por sair de sua condição monstruosa, uma Susan Storm (Mulher Invisível) finalmente compreendendo melhor seus poderes e sua posição no grupo e um Reed Richards mais brilhante do que nunca.

Na fase de Byrne vemos como o poder do campo de força de Susan pode ser usado como uma arma, sendo projetado na direção do inimigo como um aríete super poderoso e ampliando sua participação efetiva no grupo nos momentos de combate, vemos um Franklin Richards com poderes imensuráveis mas que aparentam um  assustador e ainda indecifrável mistério… E vemos talvez o Doutor Destino mais poderoso, perigoso e ardiloso que já tenhamos visto até hoje – Os confrontos do Quarteto contra Victor Von Doom são dos melhores já produzidos pela Marvel, repletos de tensão, reviravoltas e o gosto de Byrne pela ficção fantástica.

Esta compilação reúne oito histórias deste período e resumem bem a variedade de temas e inimigos do período de John Byrne no Quarteto: Diablo e toda sua extravagância , a entidade espacial Ego , um retorno às origens do grupo que culmina com o retorno do Doutor Destino e as pequenas histórias fechadas em que Byrne enfoca cada um dos membros e seus problemas cotidianos (a luta por Ben Grimm tornar-se humano novamente, Johnny e sua namorada Frankie Raye e os problemas clássicos do casal Sue e Reed Richards).

A arte dinâmica aliada aos roteiros simples e cheios de ação fazem da leitura algo fácil, rápido e divertido, como poucos conseguem fazer atualmente sem soar massa véio ou juvenil demais. O Quarteto passou por outros bons roteiristas (Matt Fraction, Mark Waid, Mark Millar) mas sua fase oitentista com John Byrne sem dúvida é (claro, aliada à fase inicial com desenhos de Jack Kirby) um dos melhores períodos de um grupo de super heróis já feitos por uma editora mainstream americana.

E John Byrne ainda faria a Tropa Alfa, Vingadores da Costa Oeste, Superman, etc, etc, etc, etc

Por onde começar a ler quadrinhos?

“… mas por onde eu começo a ler histórias em quadrinhos? Como ler”

Quem aqui nunca ouviu ou fez essa pergunta, hein? Fosse você criança conversando com seu amiguinho nerdão na escola ou falando com o moleque mais velho da turma, fosse adulto e algum transeunte aleatório – ou, veja você, um amigo – perguntou isso pra você na esperança de uma resposta melhor que o genérico Turma da Mônica ou Batman. Com certeza todo mundo já se deparou com essa dúvida.

como ler quadrinhos

Começar a ler quadrinhos não é algo complexo ou muito difícil, nem possui tantas áreas cinzas e terrenos delicados a abordar como o cinema mas, ainda assim, tem alguma “metodologia” e lógica a ser seguida. Ler em si, independente do que seja, não é ruim e, via de regra, nunca vai ser um estraga-prazeres porém é claro que sempre vão haver aquelas leituras melhores e mais indicadas que as outras.

Assim como música ou o cinema os quadrinhos também possuem estilos e categorias diferentes. Então, se você quer realmente saber por onde começar a ler quadrinhos, comece pensando o seguinte:

1) Qual o tipo de histórias você gosta?

Responder isso é fácil (pelo menos para a maioria das pessoas) e não requer levar em consideração os quadrinhos para pensar nela. Você é o tipo de pessoa que gosta de heróis super poderosos ou prefere o heroísmo histórico, de capa e espada? Ou heróis não são sua praia e você prefere dramas policiais? Quem sabe suspense? Tramas sobrenaturais? Quem sabe até dramas baseados em acontecimentos históricos? Qualquer resposta é certa, desde que seja verdadeira. Achar que você talvez, quem sabe goste mais ou menos de uma coisa, sem ter a certeza e optar por pura curiosidade pode resultar em um começo infeliz e mais dificultoso nessas novas leituras então seja sincero consigo mesmo e vá no garantido (depois você vai no caprichoso XD).

Depois de responder essa pergunta o resto fica bem mais fácil porém há algo que é muito importante e muita gente, quando indica algum quadrinho para alguém novo na área, esquece e pode comprometer definitivamente o novo hobby.

2) Você tem paciência para “conhecer a história” ou prefere “viver a história”?

Explico: imagine que você nunca leu quadrinho nenhum e, depois de sair dos cinemas, você resolve ir atrás de uma revistinha dos Guardiões da Galáxia. Deve estar pensando “Nossa, o filme foi tão divertido! Se isso veio dos quadrinhos então as histórias deles devem ser legais assim também”.

Aí, na volta pra casa, você pára na livraria ou na banca e compra alguma revista deles que esteja por lá. As chances são de que, muito provavelmente, você acabe levando um volume mensal qualquer. Chegando em casa você começa a ler, empolgadão, e depois da primeira ou segunda página começa a ver que não conhece ninguém, o enredo da história não é nem um pouco igual ao que tinha no filme, os personagens estão indo ou voltando ou fazendo algo em algum lugar que você não faz ideia de por que ou pra quem ou como. E por aí vai, é só o começo das dúvidas.

Antes do fim da revista você provavelmente já desistiu porque não estava entendendo mais nada e não fazia sentido, o que deveria ser divertido ficou enfadonho e matou seu interesse antes de terminar de despertá-lo.

Se você é o tipo de pessoa que tem paciência com as coisas e prefere conhecer o terreno por onde está andando, você não vai se incomodar de ir atrás de revistas antigas, ler uma ou outra velharia que explique a origem do personagem ou algo assim, algo que seja o suficiente pra lhe munir como o básico necessário pra entender o que está acontecendo nas outras revistas. Essa pessoa, quase sempre, não começa com revistas mensais, avulsas e sem começo nem fim.

Agora, se você prefere viver a história, vendo o que acontece e como é resolvido, independente de quem esteja resolvendo ou de onde vieram e não tem pressa em saber quem é quem e qual o motivo de tudo, esperando para ver o que acontece na história nas próximas revistas, daí talvez – e é um talvez bem grande – você consiga começar a ler por uma ou outra revista mensal especifica.

Mas, independente de tudo isso, os quadrinhos nunca serão como nos filmes. Ponto final. Entenda isso e seu começo vai ser 50% mais fácil e menos estraga-prazeres.

Mas próximas postagens tentarei resumir o que há de melhor (na minha opinião) em cada categoria de histórias em quadrinho. Muita coisa vai ficar de fora mas, como é pra ser um começo, já vai servir. Então, sente, relaxe, tire os calçados e boa leitura.